Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estudo elenca as lesões de pele mais comuns relacionadas a casos de Covid

Manchas vermelhas parecidas com as do sarampo e da dengue podem complicar o diagnóstico

Por Fabiana Schiavon Atualizado em 13 abr 2022, 18h46 - Publicado em 13 abr 2022, 18h40

Desde o início da pandemia de coronavírus, pipocam pelo mundo relatos de lesões de pele associadas à Covid-19. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SDB), seis a cada 100 pessoas infectadas podem sofrer algum tipo de manifestação.

Agora, pesquisadoras da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, em São Paulo, se debruçaram sobre o tema para entender quais são os incômodos mais recorrentes. O trabalho foi publicado nos Anais Brasileiros da Dermatologia.

“De início, eram ocorrências muito isoladas, até que começaram a surgir séries de casos na Europa e nos Estados Unidos. Lemos inúmeros materiais e listamos cem pesquisas nesse trabalho”, conta Camila Seque, médica do departamento de dermatologia da Unifesp e uma das autoras do estudo.

“Percebemos que as lesões de pele não são tão frequentes nos infectados pela Covid e variam bastante entre si. Algumas delas, por se parecerem com manchas provocadas por outras doenças, como sarampodengue, podem confundir as pessoas, lembrando que sofremos surtos também dessas doenças”, avalia Camila.

O mais comum é que esses danos surjam junto a outros sintomas, como febre, tosse e falta de ar, e desapareçam conforme a doença vá melhorando. Mas há casos mais graves, que pedem a avaliação de um dermatologista.

As mais frequentes

Segundo a revisão publicada, as lesões mais comuns são os exantemas (ou rash cutâneo), caracterizados por manchas vermelhas, semelhantes às observadas no sarampo ou na rubéola. Elas podem coçar e descamar. A prevalência variou entre 9% a 47% dos casos nos estudos analisados, e são mais frequentes em adultos.

Compartilhe essa matéria via:

A urticária, caracterizada por lesões avermelhadas e elevadas, com vergões na pele, é a segunda mais frequente (9% a 30%) e a mais comum em adultos com quadros leves de Covid.

Também foi encontrado o chamado pseudo-eritema pérnio ou “dedos de covid”. Ele recebe esse apelido por deixar a ponta dos membros arroxeadas, como uma reação do corpo ao frio. Pode surgir nos pés, mãos, nariz ou orelha, e vir acompanhada de inchaço.

Esses relatos foram mais prevalentes em crianças e jovens com quadros leves, ou até assintomáticos da doença. Entre 18 e 75% do total de registros ocorreu nesse público, dependendo do estudo analisado.

Continua após a publicidade

A análise lembra que a queda de cabelo é outro problema dermatológico frequente nos pacientes de Covid e ainda aparece na lista da síndrome de pós-Covid. É que o dano capilar pode se manter por até três meses após a infecção e demandar um tratamento específico.

Por fim, as lesões que exigem mais cuidado mesmo são vasculares, relatadas em pessoas idosas, que foram internadas para tratar a infecção. “Esse é outro extremo de problemas, em que indivíduos chegam a perder a ponta dos dedos”, relata a dermatologista. Felizmente, o estudo apontou baixa prevalência baixa desses casos, variando de 4% a 9%.

+ LEIA TAMBÉM: Uma doença chamada pós-Covid

Por que a Covid pode causar lesões na pele?

Existem algumas explicações para a Covid afetar a pele. A primeira é que o tipo de molécula que serve de receptor para o Sars-Cov 2 está presente em diversos órgãos, inclusive na pele.

“Da corrente sanguínea, o vírus chega por esses receptores que existem na pele e também no pulmão, no rim e em outros órgãos-alvo“, esclarece Camila.

Há outro caminho também, quando a derme é atingida pelo próprio processo inflamatório que a Covid gera no organismo. Essa inflamação é o que deixa o organismo mais propenso à formação de trombos, que levam às lesões vasculares.

Como explicamos, é mais comum que essas queixas surjam com os sintomas mais clássicos da infecção. Mais raramente, contudo, uma lesão na pele pode também aparecer como primeiro sintoma da Covid-19 e também o único.

Nos estudos, as cientistas encontraram situações em que foi necessário fazer testes de PCR na pele, pois os exames com secreção nasal ou da orofaringe deram negativo para a doença.

O que fazer ao notar os sintomas

Para ajudar as pessoas a identificarem essas marcas, a SDB lançou um guia com mais detalhes sobre as mais comuns e recomenda que procurem auxílio médico ao se deparar com essas lesões.

Com a vacinação, os casos de Covid caíram e, com eles, os de lesões na pele. “Eles estão menos frequentes, mas ainda ocorrem”, pontua Camila. Portante, é importante permanecer atento a alterações naquele que é o maior órgão do corpo humano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês