saudeLOGO Created with Sketch.

Coração saudável aos 20, cérebro tinindo aos 40

Novo estudo reforça que é difícil preservar a saúde de um desses órgãos sem cuidar do outro

Regular a pressão, controlar o colesterol, reduzir a taxa de açúcar no sangue, exercitar-se, adotar uma alimentação equilibrada, perder peso e parar de fumar. Essas medidas, batizadas de Life’s Simple 7 pela Associação Americana do Coração, são a base da saúde cardíaca. Eis que um trabalho da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, destaca que quem segue essas recomendações na juventude mantém o cérebro em pleno funcionamento mais de duas décadas depois.

“Pesquisas recentes mostram que pessoas que obtêm pontuação alta na avaliação do Life’s Simple 7 se saem melhor em provas de raciocínio”, diz Michael Bancks, autor do artigo, em comunicado. “Mas queríamos verificar se a manutenção de um coração saudável afetava estruturalmente o cérebro”, completa.

 

 

O levantamento analisou dados de 518 indivíduos — todos foram acompanhados por 30 anos. No início, os voluntários (por volta dos 20 anos de idade) fizeram exames que revelaram como ia o coração de cada um, além de responderem questionários sobre estilo de vida. Eles realizavam novos testes a cada dois anos e recebiam pontos que indicavam a adesão a cada um dos sete passos citados no começo desta reportagem.

Depois de 25 anos, esse pessoal se submeteu a uma ressonância magnética de última geração para avaliar o funcionamento dos neurônios. Aí ficou claro que os sujeitos com saúde cardíaca em dia no começo da investigação tinham uma massa cinzenta mais volumosa ao final dela. E um adendo: foi encontrada uma forte ligação entre o tabagismo e um cérebro menor.

“Os achados são empolgantes porque estimulam mudanças que qualquer um consegue fazer quando mais novo”, conta Bancks. “Isso pode significar que a saúde do coração tem um impacto no funcionamento da mente. Porém, mais estudos são necessários para confirmar essa teoria”, finaliza.

Veja também