Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como a vacina da gripe é feita no laboratório

O imunizante contra o vírus influenza surgiu no século 20 e, desde então, seu método de fabricação não mudou muito. Conheça o processo e se proteja!

Por André Biernath, Diogo Sponchiato Atualizado em 15 Maio 2019, 16h54 - Publicado em 27 abr 2018, 11h10

A vacina contra a gripe é refeita anualmente, de acordo com análises que indicam quais subtipos do influenza mais circularão na próxima temporada – tanto no Hemisfério Norte como no Sul. Os vírus são colocados em ovos e, depois, o material é purificado para formar o imunizante do ano. Conheça o processo em detalhes a seguir:

1) Todos os países possuem centros de vigilância que recolhem amostras e analisam as cepas do vírus da gripe que estão pintando em cada lugar – eles sofrem mutações constantes. Os dados são encaminhados para a Organização Mundial da Saúde (OMS).

2) A entidade então determina os três ou quatro tipos do influenza que serão incluídos no imunizante. Isso ocorre em fevereiro no Hemisfério Norte e em setembro para o Hemisfério Sul, para a vacina ser produzida a tempo de chegar à população antes do inverno.

3) Com base nas orientações da OMS, os laboratórios iniciam a manufatura do produto. Começa assim: amostras dos vírus são injetadas em ovos de galinha que contém um embrião vivo em pleno desenvolvimento. Os ovos são incubados para o influenza se multiplicar ali. Mas atenção: até gente alérgica a ovo hoje pode receber sua dose.

Continua após a publicidade

4) O líquido que envolve o embrião dentro do ovo serve de matéria-prima para a vacina. Depois de extrai-lo, os cientistas fragmentam e inativam o vírus da gripe – assim, é impossível que ele cause a doença.

5) Aí, as vacinas são distribuídas nos postos de saúde e nas clínicas particulares. Ao entrar em contato com o produto, o corpo da pessoa passa a produzir anticorpos que impedem a instalação da gripe.

6) A campanha estreia em outono para proteger a população antes que o número de casos se eleve.

Uma receita de vacina diferente

Cada ovo inoculado com o vírus rende material para aproximadamente uma única dose. Além disso, a multiplicação do influenza demora. É por isso que o processo de produção leva meses.

Mas há uma solução sendo testada para acelerar a fabricação do imunizante e, assim, ajudar até em pandemias da gripe. Os pesquisadores estão experimentando cultivar o vírus em células dentro do laboratório. Tomara que dê certo!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)