Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como a vacina da gripe é feita no laboratório

O imunizante contra o vírus influenza surgiu no século 20 e, desde então, seu método de fabricação não mudou muito. Conheça o processo e se proteja!

Por André Biernath, Diogo Sponchiato
Atualizado em 15 Maio 2019, 16h54 - Publicado em 27 abr 2018, 11h10

A vacina contra a gripe é refeita anualmente, de acordo com análises que indicam quais subtipos do influenza mais circularão na próxima temporada – tanto no Hemisfério Norte como no Sul. Os vírus são colocados em ovos e, depois, o material é purificado para formar o imunizante do ano. Conheça o processo em detalhes a seguir:

1) Todos os países possuem centros de vigilância que recolhem amostras e analisam as cepas do vírus da gripe que estão pintando em cada lugar – eles sofrem mutações constantes. Os dados são encaminhados para a Organização Mundial da Saúde (OMS).

2) A entidade então determina os três ou quatro tipos do influenza que serão incluídos no imunizante. Isso ocorre em fevereiro no Hemisfério Norte e em setembro para o Hemisfério Sul, para a vacina ser produzida a tempo de chegar à população antes do inverno.

3) Com base nas orientações da OMS, os laboratórios iniciam a manufatura do produto. Começa assim: amostras dos vírus são injetadas em ovos de galinha que contém um embrião vivo em pleno desenvolvimento. Os ovos são incubados para o influenza se multiplicar ali. Mas atenção: até gente alérgica a ovo hoje pode receber sua dose.

4) O líquido que envolve o embrião dentro do ovo serve de matéria-prima para a vacina. Depois de extrai-lo, os cientistas fragmentam e inativam o vírus da gripe – assim, é impossível que ele cause a doença.

5) Aí, as vacinas são distribuídas nos postos de saúde e nas clínicas particulares. Ao entrar em contato com o produto, o corpo da pessoa passa a produzir anticorpos que impedem a instalação da gripe.

Continua após a publicidade

6) A campanha estreia em outono para proteger a população antes que o número de casos se eleve.

Uma receita de vacina diferente

Cada ovo inoculado com o vírus rende material para aproximadamente uma única dose. Além disso, a multiplicação do influenza demora. É por isso que o processo de produção leva meses.

Continua após a publicidade

Mas há uma solução sendo testada para acelerar a fabricação do imunizante e, assim, ajudar até em pandemias da gripe. Os pesquisadores estão experimentando cultivar o vírus em células dentro do laboratório. Tomara que dê certo!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.