Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Carvão ativado para clarear os dentes: odontologistas pedem cautela

Produtos à base de carvão são vendidos como a solução para clarear os dentes em poucos dias. Mas especialistas contestam a eficácia e segurança deles

Por Thaís Manarini
Atualizado em 22 jan 2020, 10h44 - Publicado em 14 dez 2018, 17h57

O clareamento dental está na moda. E um dos tratamentos para deixar os dentes brancos que tem feito enorme sucesso entre os brasileiros é o carvão ativado.

Indica-se passar o pó preto, vendido principalmente pela internet, de uma a duas vezes ao dia para ver os dentes reluzirem em até duas semanas. Parece ótimo, né? Só que a estratégia não é encarada com bons olhos pelos especialistas.

“Não foram realizados testes e não existem protocolos publicados na literatura específica que orientem seu uso”, informa o odontologista Mario Sergio Giorgi, presidente da Câmara Técnica de Dentística do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp).

Além de não existir evidência científica para embasar a compra do produto, há riscos associados à sua aplicação. Isso porque o clareamento que ele provoca seria causado pela remoção de detritos e de parte do esmalte dentário.

“O carvão mineral é extremamente corrosivo e abrasivo. Ele desgasta a superfície onde entra em contato”, resume o odonto Camillo Anauate Netto, também da Câmara Técnica de Dentística do Crosp. Esse desgaste levaria ao surgimento de sensibilidade e dor.

Continua após a publicidade

“Fora que, se o paciente tiver restaurações estéticas, elas podem sofrer pigmentação ao entrar em contato com o carvão ativado”, acrescenta Giorgi.

Para clarear o dente com segurança

Segundo Netto, há duas formas de clareamento clássicas: a caseira e a de consultório. No primeiro caso, recorre-se ao chamado peróxido de carbamida, que tem baixo poder de oxidação. Ele é aplicado pelo próprio paciente, em casa.

O produto é colocado em um molde que se encaixa nos dentes do indivíduo – essa peça é produzida pelo cirurgião-dentista em seu consultório. “A aplicação é indicada duas vezes ao dia, após a escovação, durante duas a três horas”, ensina Netto.

Continua após a publicidade

Já o clareamento de consultório é à base de peróxido de hidrogênio, três vezes mais forte que o de carbamida. “Esse tratamento é mais rápido: pode ser finalizado em duas ou três sessões”, conta o especialista do Crosp.

Dependendo de fatores como rapidez necessária, idade dos dentes e sensibilidade, ainda há a possibilidade associar as duas modalidades de procedimentos.

“O clareamento tem que ser encarado com muito cuidado. Se não orientado, pode trazer consequências graves em médio e longo prazo, como dor e até perda da vitalidade dental”, reforça Netto.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.