Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Câncer de testículo atinge os mais jovens e pode interferir na fertilidade

Como no câncer de mama, o autoexame periódico à procura de caroços na região é um importante método de prevenção

Por Fabiana Schiavon
3 dez 2021, 15h28

O câncer de próstata é alvo de campanhas anuais, mas há um tipo de tumor masculino que também é preocupante e ainda mais comum nos jovens: o de testículo. Apesar da baixa mortalidade, ele interfere diretamente na fertilidade e na autoestima dos homens.

Na maioria das vezes, ele aparece entre 15 e 34 anos. Para ter ideia, são registrados, anualmente, 74 mil casos no mundo. Em nosso país, a doença faz 3,3 mil novas vítimas todo ano, o que infelizmente nos coloca como campeões da América Latina nesse quesito, segundo a Agência Internacional para Pesquisa do Câncer da Organização Mundial da Saúde.

Não há um motivo claro para o câncer de testículo afetar os mais jovens. “Há tumores mais prevalentes de acordo com a faixa etária, e eles costumam estar relacionados a alterações genéticas herdadas ou mutações que são adquiridas durante a vida”, explica o cirurgião oncológico Gustavo Cardoso Guimarães, diretor do Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica (IUCR) e coordenador dos departamentos cirúrgicos oncológicos da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Como aconteceu com outras doenças, o câncer de testículo foi menos diagnosticado durante a pandemia, já que os homens deixaram de visitar o médico.

Mas, antes da crise sanitária, o diagnóstico já costumava demorar mesmo, porque é comum associar os sintomas a alguma doença venérea ou trauma recente.

“Os principais sintomas são aumento do testículo ou a presença de um nódulo [caroço] palpável. Geralmente, essas manifestações são indolores. Em menos de 10% dos casos há desconforto. Daí porque o quadro tende a ser confundido com alterações infecciosas ou inflamatórias, como traumas ou orquiepididimites [inflamação de origem bacteriana]”, relata o oncologista.

O autoexame é o primeiro passo para detectar a neoplasia. “É a forma mais fácil de suspeitar de uma alteração testicular e pode ser realizado durante o banho, com toques rápidos durante a higiene íntima. Uma vez constatada alguma mudança, o paciente deve ir ao médico, que prosseguirá com a investigação”, explica Guimarães.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Autoexame para câncer de testículo: como fazer

O que aumento o risco do câncer no testículo

  • Idade: a maioria dos casos ocorre entre 15 e 50 anos. Mas é mais comum na faixa dos 15 aos 34
  • Raça: Os homens brancos têm de 5 a 10 vezes mais risco de desenvolver a doença
  • Herança genética: Quando há história familiar, o risco é aumentado
  • Criptorquidia: Condição na qual o testículo não desceu para o escroto. Homens que fizeram cirurgia para corrigir esse problema também têm risco maior
  • Síndrome de Klinefelter: o transtorno cromossômico sexual é caracterizado por baixos níveis de hormônios masculinos, esterilidade, aumento dos seios e testículos pequenos
  • Vírus da imunodeficiência humana (HIV)

E a fertilidade, como fica?

O câncer de testículo, quando flagrado precocemente, é altamente curável e apresenta baixo perigo de mortalidade. Mas o tratamento e a própria doença têm grande potencial de prejudicar a fertilidade do homem. Isso ocorre porque o quadro interfere diretamente nos níveis de testosterona.

“Boa parte dos pacientes com esse tumor é infértil ou subfértil”, conta Guimarães. Naqueles que ainda não são 100% inférteis, a remoção de um testículo pode ser o fator decisivo nessa direção. Fora que o procedimento traz impactos psicológicos para os pacientes.

Quando o homem ainda deseja ter filhos, é importante discutir opções de tratamento com o médico. Segundo a Sociedade Americana de Câncer, é aconselhável que o indivíduo guarde espermas em um banco antes de iniciar as intervenções.

A maioria dos tumores ocorre em apenas um testículo e, se ele precisar ser removido, a fertilidade costuma retornar dois anos após o tratamento. Quando aparece nos dois, é preciso repor hormônios com medicamentos.

+ LEIA TAMBÉM: Testículos: o manual do proprietário

Sintomas do câncer no testículo:

  • Nódulo pequeno, duro e indolor
  • Mudança na consistência dos testículos
  • Sensação de peso no saco escrotal
  • Dor incômoda no baixo ventre ou na virilha
  • Dor ou desconforto no testículo ou no saco escrotal
  • Crescimento da mama ou perda do desejo sexual
  • Crescimento de pelos faciais e corporais em meninos muito jovens
  • Dor lombar

Tratamento

Quimioterapia, radioterapia e cirurgia são os tratamentos disponíveis contra o câncer de testículo. Um procedimento chamado orquiectomia é realizado quando há necessidade de remover o órgão atingido a partir de uma incisão na virilha.

“Na operação, amostras de tecido são examinadas para determinar o estágio do câncer. Os tumores de testículo mais comuns [conhecidos como seminoma] são tratados com cirurgia, que muitas vezes é associada a radioterapia ou quimioterapia. Tudo depende da fase de descoberta da doença”, esclarece o cirurgião oncológico.

Tipos de câncer de testículo:

+ Tumores de células germinativas ou seminoma: ocorrem nas células que fabricam os espermatozoides.
+ Tumores estromais: ocorrem no tecido testicular, onde hormônios são produzidos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.