Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasileiro tem baixos níveis de vitamina D até no verão de Salvador

Estilo de vida mais urbano e a necessidade de se proteger dos raios solares podem levar à necessidade de suplementação

Por Fabiana Schiavon
Atualizado em 24 mar 2023, 14h21 - Publicado em 24 mar 2023, 14h11

O estilo de vida moderno tem diminuído os níveis de vitamina D da população brasileira. Uma nova pesquisa revela que até no verão, quando a exposição ao sol é maior, uma parcela significativa de pessoas saudáveis apresenta deficiência desse nutriente.

O estudo, publicado no periódico inglês Journal of the Endocrine Society, avaliou amostras de sangue de cerca de mil pessoas de São Paulo (SP), Curitiba (PR) e Salvador (BA), coletadas durante os meses mais ensolarados do ano.

Entre os adultos saudáveis, de 18 a 45 anos, 15,3% apresentaram deficiência, que ocorre quando está abaixo de 20 ng/ml (nanogramas por mililitro).

“Essas características [idade, condição física e estação do ano] sugeriam uma alta probabilidade de que os níveis do nutriente estivessem bons, mas não foi isso que ocorreu”, avalia a endocrinologista Marise Lazaretti Castro, da Escola Paulista de Medicina (Unifesp).

+ Leia também: Europeus traçam novo limite mínimo para vitamina D. Isso vale aqui?

Continua após a publicidade

Para o grupo de risco, que inclui idosos, imunossuprimidos e outros grupos que precisam mais da vitamina D, o déficit foi ainda maior. Metade deles tinha insuficiência da substância, quando ela está abaixo de 30ng/ml.

Segundo Marise, esse pessoal tem a indicação para suplementar o nutriente, mas anda negligenciando o assunto.”Isso tem ocorrido muito com pacientes pós-bariátrica, principalmente, que desaparecem dos consultórios após a cirurgia, e eles têm mais dificuldade de absorção de vitaminas pelo intestino”, alerta a médica.

Por que a vitamina D do brasileiro está baixa?

O estudo avaliou pessoas de diferentes capitais brasileiras para investigar fatores socioeconômicos e demográficos por trás da queda. A análise foi realizada por pesquisadores das Universidades Federais do Paraná e de São Paulo, Fundação Oswaldo Cruz e Obras Sociais Irmã Dulce.

Estar menos exposto ao sol é o principal fator relacionado a esses dados, uma consequência do estilo de vida nas grandes cidades. A obesidade e a vida em áreas mais distantes da linha do Equador são outras marcas de risco identificadas pelos pesquisadores.

Continua após a publicidade

A população negra, que tem mais dificuldade de absorver a vitamina, é considerada um grupo de risco para a deficiência até entre em quem vive na ensolarada Salvador. “A melanina da pele age como um filtro solar, portanto, quanto mais escura a pele, maior deve ser a exposição solar para conseguir captar o nutriente”, explica a endocrinologista.

Como resolver a situação?

A vitamina D é produzida pelo corpo por meio do contato com o sol. Bastam cinco a dez minutos de sol forte, entre 9h e 15h. Só isso mesmo. Depois, é preciso passar o protetor solar. E ficar atrás de estruturas de vidro não resolve: a ideia é estar diretamente exposto ao sol.

Claro, a exposição ao sol exige cuidados. “Há risco de câncer de pele, principalmente nas pessoas de pele mais clara, sardas ou que com doenças autoimunes, como o lúpus”, pontua a endocrinologista.

Até por isso, Marise defende que a maneira mais segura de equilibrar os níveis de vitamina D é suplementando quando necessário. “Não dá para contar que as pessoas consigam mudar suas rotinas e passar a se exercitar ao ar livre, principalmente no meio das grandes cidades”, aponta a médica.

Continua após a publicidade

A estratégia é indicada em especial nos grupos de risco supramencionados e em indivíduos com deficiência comprovada. No estudo, a suplementação orientada por um profissional diminui 60% de chances de os pacientes terem deficiência de vitamina D.

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda ainda que bebês recebam a suplementação durante os dois primeiros anos de vida e, quando possível, curtam a luz do dia. “Eles são muito eficientes nessa absorção, então bastam alguns minutos”, pontua Marise.

+ Leia também: Quem são os indivíduos imunocomprometidos?

Riscos da falta e do exagero da vitamina D

Não dá para sair comprando vitamina D sem orientação profissional. Nas prateleiras a variedade de produtos é alta, e cada pessoa tem uma necessidade diferente, daí a importância da prescrição médica.

Continua após a publicidade

É preciso avaliar exames, estilo de vida e, como vimos nesse estudo, o local onde se vive, o tom de pele e até a sazonalidade. Por exemplo, pode ser necessário aumentar o dose durante o inverno.

A falta da vitamina D afeta diretamente a saúde dos ossos e músculos, mas isso demora a ser percebido. “O quadro é assintomático e, quando leva à perda muscular ou às fraturas, é porque o nível já está abaixo de 12 ng/ml, uma deficiência importante”, pontua a médica.

A cada novo estudo, descobre-se mais benefícios desse nutriente. Se acredita, por exemplo, que ele colabore para a manutenção do sistema imune. “Não temos provas, porque teríamos de deixar de suplementar um grupo de risco, e isso não pode ser feito”, relata a endocrinologista.

Em estudos com indivíduos com pré-diabetes, a suplementação impediu que a doença evoluísse.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Nem muito nem pouco: o papel da vitamina D

Mas essa boa fama não significa que ela serve para tudo. Durante a pandemia de Covid-19, muita gente apelou para a superdosagem ou para a suplementação desnecessária, acreditando que isso ajudaria a tratar ou até prevenir a infecção pelo coronavírus. E não era bem assim.

“A questão é que esses benefícios costumam ser vistos em pessoas que tinham a deficiência e passaram a suplementar, até porque o corpo não absorve mais vitamina D do que precisa”, conta a médica.

Ao se automedicar, há o risco ainda de exagerar na dose. A intoxicação, quando o nível no sangue passa de 100 ng/ml, é perigosa. “Há aumento de cálcio no sangue, náuseas, vômitos, desidratação e o risco de evoluir para uma insuficiência renal crônica, com necessidade até de diálise de urgência”, relata Marise.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.