Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Boa e má notícia para o fígado

Tecnologia que amplia a vida útil do órgão para transplantes estreia no Brasil. Em paralelo, estudo prova que obesidade está por trás de tumores ali

Por Goretti Tenorio Atualizado em 28 nov 2021, 11h35 - Publicado em 28 nov 2021, 11h34

Um hospital no Rio de Janeiro é o primeiro do país a utilizar uma tecnologia que pode ser um divisor de águas para transplantes hepáticos. Na avaliação de Eduardo Fernandes, cirurgião especialista em transplantes de órgãos do abdômen, a máquina Liver Assist, que faz sua estreia nacional no Hospital São Lucas Copacabana, tem tudo para mudar o cenário atual.

É que o descarte de órgãos é frequente, sobretudo em áreas mais remotas de países continentais como o Brasil, onde não há tanta logística para transporte. E o fígado, depois de retirado do corpo, leva de oito a dez horas até começar a sofrer por falta de oxigênio, uma condição conhecida como isquemia.

+ LEIA TAMBÉM: Covid-19 e o impacto no transplante de órgãos

“Com essa tecnologia de origem holandesa, é possível transfundir os órgãos para que fiquem viáveis por muito mais tempo”, explica Fernandes. “Isso pode ser feito com sangue humano, em temperatura normal, ou com uma solução especial, em hipotermia, que é o método utilizado aqui”, continua.

No fim do processo, o fígado que estava deteriorado volta a ser oxigenado. “Em um cenário como o nosso, em que 50% dos órgãos doados não são aproveitados, a tecnologia vai maximizar o número de transplantes”, prevê o médico. E já renova a esperança de quem espera na fila por um fígado.

INFOGRÁFICO DA MÁQUINA EM AÇÃO
Infográfico: Letícia Raposo/SAÚDE é Vital

Obesidade maltrata demais o fígado

Cientistas coreanos realizaram uma revisão de estudos e bateram o martelo: o alto índice de massa corporal (IMC) eleva o risco de câncer nesse órgão. “A obesidade tem ligação com a esteatose hepática, a gordura no fígado. E essa é uma condição que leva a uma inflamação crônica, podendo gerar lesão no DNA das células e o desenvolvimento de tumores”, explica o hepatologista Paulo Bittencourt, presidente do Instituto Brasileiro do Fígado (Ibrafig).

A prevenção envolve mudança de estilo de vida, com prática de atividade física e manutenção de um bom peso e uma dieta saudável, evitando alimentos ultraprocessados e supercalóricos, bem como o consumo excessivo de álcool.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês