Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A ciência por trás das más e boas notícias

Nova edição de VEJA SAÚDE traz alerta sobre o (des)controle da hipertensão e os avanços do ano na medicina brasileira

Por Diogo Sponchiato
Atualizado em 5 dez 2022, 10h28 - Publicado em 25 nov 2022, 14h10

A edição de novembro de VEJA SAÚDE traz uma boa e uma má notícia.

Comecemos pela segunda: não estamos dando o devido valor à ameaça da hipertensão, uma bomba que pode explodir a qualquer momento em pelo menos 30% da população brasileira.

Enquanto um monte de gente anda por aí sem nem saber que tem pressão alta — e, infelizmente, às vezes o primeiro sintoma é uma dinamite para o corpo —, a maioria daqueles que têm o diagnóstico não consegue controlar adequadamente o problema.

Há várias explicações para essa situação alarmante, como você verá na reportagem apurada e redigida pela jornalista Chloé Pinheiro, uma das agraciadas, junto a este que vos escreve, no prêmio Einstein + Admirados da Imprensa de Saúde, Ciência e Bem-Estar.

Não vou dar spoiler, mas deixar um apelo para que você leia a matéria e procure incorporar as recomendações dadas em cima de estudos, entrevistas com especialistas e discussões trazidas nos últimos congressos internacionais de cardiologia.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Agora a boa notícia: o Brasil pode se orgulhar de também fazer parte da vanguarda nas pesquisas e soluções voltadas à saúde. A prova disso está nos seis trabalhos vencedores da quinta edição do Prêmio Dasa de Inovação Médica com VEJA SAÚDE.

Você vai conferir, em primeira mão, um conteúdo especial reverenciando e explicando essas iniciativas que ajudam a transformar o ecossistema de cuidados com os brasileiros.

Só um aperitivo do que vai ver ali, com direito a infográficos e tudo: o teste do pezinho ampliado para caçar defeitos congênitos na imunidade que encurtam a expectativa e a qualidade de vida das crianças; um aplicativo para tablets que permite democratizar o acesso a exames de capacidade auditiva; um programa de inteligência artificial que dá suporte à análise de biópsias, aprimorando o diagnóstico; a primeira rede de internet 5G para o SUS; uma cirurgia inédita que preserva a fertilidade de mulheres em tratamento contra o câncer; e uma startup de fisioterapia que criou uma plataforma para avaliar e reabilitar pacientes de forma personalizada e baseada nas diretrizes científicas.

Continua após a publicidade

Quero expressar aqui meus parabéns a esses profissionais, e às suas instituições, pelo empenho constante e por traduzirem anos de estudo e labuta em ferramentas e medidas tangíveis, capazes de fazer a diferença na vida dos cidadãos.

É assim que se faz ciência. E é assim que o conhecimento transforma más notícias em boas notícias.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.