saudeLOGO Created with Sketch.

Quando malhar vira um vício (e um problema)

Embora seja um hábito saudável, praticar exercícios pode gerar dependência a ponto de prejudicar o corpo e a mente - é a vigorexia

Parece até difícil de acreditar, mas, em uma sociedade cada vez mais obesa e sedentária, existem pessoas que são viciadas em atividade física. E não falamos de um ou outro aficionado de musculação. Estima-se que de 8 a 12% da população mundial tenha dependência psicológica por esportes. Dentro de uma academia, o número é ainda maior: de 35 a 42% dos alunos demonstram sinais de uma necessidade excessiva de suar a camisa.

Em estudo publicado recentemente, pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) chegaram a identificar as consequências desse comportamento. Para isso, eles recrutaram 18 homens adeptos de corrida e pediram para todos ficarem 15 dias longe das pistas. Detalhe: alguns dos voluntários davam claros indícios de dependência esportiva.

Veja também

Ao final da experiência, foi justamente essa parcela que se mostrou mais prejudicada com a impossibilidade de se movimentar. Para ter ideia, os participantes apresentaram mudança expressiva de humor, aumento na irritabilidade, abalo na qualidade do sono, sensação de fadiga, além de maior exposição a quadros de ansiedade e depressão.

Segundo a educadora física Hanna Karen Moreira Antunes, uma das autoras da investigação, a cereja do bolo foi constatar, por meio de exames de sangue, que a turma louca por corrida ficou com níveis reduzidos de uma substância chamada anandamida. Isso chamou atenção porque, durante décadas, a principal hipótese para explicar a fissura pelo esporte era o fato de ele induzir a produção de endorfina, hormônio por trás da sensação de prazer. Agora, a tal anandamida rouba os holofotes.

Liberada no cérebro, ela tem efeitos analgésicos e antidepressivos – sua ação, aliás, é semelhante à do THC, componente da maconha. Quando se faz atividade física, os níveis dessa molécula tendem a subir, pois ela ativa um circuito de recompensa cerebral.

O que a pesquisa da Unifesp sugere é que certos indivíduos têm uma falha nesse sistema e, aí, produzem pouca anandamida. Resultado: ficam vidradões em esporte para que a substância seja fabricada em um patamar suficiente para gerar bem-estar. “Por isso se trata de uma dependência bioquímica”, afirma Hanna.

Segundo o psicólogo João Carlos Alchieri, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, os vestígios de que a prática esportiva saiu do controle começam de maneira sutil – de repente a pessoa sente a necessidade de malhar mais de uma vez por dia, por exemplo. A situação se torna preocupante quando o indivíduo desmarca compromissos profissionais, deixa de encontrar amigos e familiares para se dedicar aos treinos ou insiste em puxar ferro mesmo lesionado.

Veja também

Para ajudar a identificar a dependência e também a vigorexia, um distúrbio ligado ao abuso de exercícios em busca do corpo perfeito, Alchieri e sua equipe validaram um teste baseado numa escala de notas. “Ele não tem função de diagnóstico, mas evidencia comportamentos que, em geral, a pessoa não percebe, inclusive por estarem associados a hábitos saudáveis”, esclarece. É daí que vem a dificuldade em se reconhecer refém da malhação.

Felizmente, porém, uma vez que o vício é flagrado, dá para virar o jogo. Normalmente, os especialistas indicam a terapia cognitiva comportamental, já que a dependência também está ligada a dilemas emocionais e frustrações. O educador físico Marcelo Ferreira Miranda, do Conselho Federal de Educação Física, lembra, ainda, do papel dos treinadores, professores e personal trainers.

De acordo com ele, é preciso conscientizar os alunos sobre a prática adequada e equilibrada de exercícios. “O repouso é tão importante quanto o período de treino”, exemplifica. Se levar o corpo à exaustão, ou deixar de ver graça na vida além da academia, a atividade física automaticamente perde sua função clássica: a de promover, acima de tudo, bem-estar.

Leia também: Você não precisa se matar na academia para ficar em forma

Será que é vício?

Concordar plenamente com algumas das frases abaixo pode ser sinal da dependência por exercício físico

  • As pessoas não têm ideia do quanto preciso treinar.
  • Eu planejo meu treino sozinho
  • Se não posso treinar, sinto que perderei todo trabalho já realizado.
  • Planejo minhas atividades de acordo com o treino diário.
  • Ganho muito mais treinando do que fazendo outras coisas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s