Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Teste do pezinho agora descobre a imunodeficiência primária

Uma nova tecnologia pega carona nesse famoso exame feito logo após o parto para detectar a condição por trás de graves infecções em crianças

Por Giovana Feix Atualizado em 9 jan 2018, 17h06 - Publicado em 5 dez 2017, 10h13

Ataques frequentes de micróbios a pulmões, ouvidos, intestino ou outros cantos do corpo… São eles que costumam despertar a suspeita da imunodeficiência primária (IDP), condição genética pouco conhecida, mesmo entre profissionais de saúde.

Como o nome do problema indica, há uma falha no sistema de defesa, incapaz de conter infecções. Para mudar o cenário atual, marcado por diagnósticos tardios, o Grupo Brasileiro de Imunodeficiências (Bragid) trouxe um novo exame ao país. Por meio de dados coletados no teste do pezinho, ele flagra a IDP logo após o parto.

Segundo o médico Antonio Condino Neto, pesquisador da Universidade de São Paulo e membro do Bragid, a tecnologia está disponível em clínicas particulares, mas a ideia é que, em breve, vá para a rede pública. Segundo o especialista, se descoberta logo cedo, a condição é controlável e as complicações podem ser evitadas.

  • 5 mil

    É o número de casos de imunodeficiência primária registrados no Brasil.

    15 mil

    É a quantidade de pessoas que devem sofrer com a falta de diagnóstico.

    Sinais de alerta da IDP

    • Oito ou mais episódios de otite por ano
    • Duas ou mais pneumonias no último ano
    • Feridas recorrentes na boca
    • Monilíase (o popular sapinho) por mais de dois meses
    • Diarreia crônica ou infecções intestinais de repetição
    • Histórico de imunodeficiências na família
    Continua após a publicidade
    Publicidade