Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Suco de caixinha: dar ou não dar?

A garotada adora e muitos pais consideram uma opção prática e saudável. Mas atenção: algumas embalagens guardam bebidas nada balanceadas e cheias de açúcar

Por Thiago Nepomuceno
Atualizado em 21 mar 2017, 10h56 - Publicado em 3 out 2016, 12h40

Na correria do dia a dia, nem sempre é possível preparar aquele lanche caprichado e nutritivo para os filhos levarem à escola. Os sucos de caixinha surgem, então, como uma alternativa supostamente ideal. Ora, eles são feitos de frutas, certo? Mais ou menos. “Os pais começaram a enxergá-los como a melhor opção por aparentarem uma imagem saudável”, nota a nutricionista Ana Paula Wolf Tasca Del Arco, doutoranda da Universidade Federal de São Paulo. “Mas a maioria das marcas tem uma grande quantidade de açúcar, e o problema é que, quando a substância entra no organismo por meio de um líquido, sua absorção é muito rápida”, explica. O exagero, portanto, contribui para o ganho de peso e outras ameaças à saúde.

Ana Paula foi uma das autoras de um levantamento com 1 391 crianças brasileiras de 4 a 6 anos que identificou uma sobrecarga de açúcar nos lanchinhos – boa parte viria das bebidas industrializadas. A questão é que nem tudo o que está na caixinha é suco de verdade. Por isso, é preciso ficar de olhos bem abertos nos rótulos e priorizar as versões mais naturais e menos açucaradas. Algumas marcas oferecem o sumo integral, com 100% da fruta, produto que costuma ser menos doce e ter mais nutrientes, além de não apresentar conservantes.

Os pais só não precisam entrar numa neura. Segundo Ana Paula, deve-se considerar a alimentação da criança como um todo – se ela tomar uma caixinha mais adoçada de manhã e evitar outras guloseimas no resto do dia, não haveria problema. O importante é que a bebida não seja a principal escolha ao compor a lancheira e, sim, uma alternativa nos dias corridos. Aliás, existem substitutos melhores e tão práticos quanto, caso da água de coco e da própria água mineral.

Se o tempo ajudar, a melhor saída é, de fato, preparar o suco em casa. Escolha um dia mais livre e já faça uma boa quantidade bem concentrada. Em seguida, congele em uma fôrma de gelo. Quando for montar o lanche, basta colocar um cubo na garrafinha de água, que derreterá ao longo do dia. Fácil, né? O bacana é que, com essa tática, a gente não perde muitas vitaminas e minerais.

Agora, lembre-se de que a hidratação nem sempre precisa vir de uma bebida. De acordo com a nutricionista Priscila Maximino, do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo, dar a própria fruta é a melhor maneira de assegurar os ingredientes do bem. “Para fazer um copo de suco, precisamos de umas três laranjas, por exemplo. No intervalo da escola, se a criança comer só uma unidade, irá consumir menos calorias e aproveitar as fibras, que se perdem na bebida”, justifica. Ninguém ainda entrega mais do que a própria natureza.

Continua após a publicidade

Leia também: O lanche dos brasileirinhos

Receita caseira e preservada

Ao fazer o suco natural, é normal perder alguns nutrientes no processo. Mas tem como minimizar isso. Pra começar, não coe, ou, então, deixe um pouco do bagaço na garrafa. É aí que estão as bem-vindas fibras. Na hora de guardar, trate de refrigerar o suco e armazená-lo em um recipiente opaco, para impedir que a exposição à luz oxide e elimine algumas vitaminas. E evite botar açúcar.

Leia também: Menos açúcar para as crianças
Nem tudo é… suco!
Fique atento ao rótulo e à classificação das bebidas

Suco integral

É a opção mais saudável. Conforme a legislação brasileira, só é suco a bebida feita inteiramente do extrato da fruta, sem adição de corantes ou conservantes. Ela pode ter no máximo 10% de açúcar, mas existem versões sem o ingrediente.

Néctar

O nome engana. Contém geralmente entre 20 e 30% da fruta, diluída em água. A bebida costuma ter boas doses de açúcar e apresentar conservantes e outros aditivos.

Refresco

Há a versão em caixinha e os “sucos” em pó. A concentração de extrato da fruta varia, mas, em alguns casos, chega a apenas 5%. Refrescos podem reunir conservantes e outros aditivos, além de serem beeem açucarados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.