Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

É válido usar colar de âmbar para aliviar a dor de dente dos bebês?

Acessório teria propriedades analgésicas, mas a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos não recomenda seu uso por questões de segurança

Por Maria Tereza Santos Atualizado em 8 ago 2019, 12h35 - Publicado em 17 jan 2019, 18h56

Você já deve ter visto algum bebê por aí usando um colar com pedrinhas amareladas. É o colar de âmbar, uma resina vegetal que aliviaria a dor do crescimento dos dentes nas crianças. Acontece que a U.S. Food & Drug Administration (FDA, a agência reguladora de medicamentos do governo americano) emitiu um comunicado alertando pais e cuidadores sobre o perigo do acessório – e afirmando que seus benefícios não estão comprovados.

A entidade não recomenda a utilização do colar pelo risco de asfixia, caso o pequeno engula alguma das pedrinhas. Além disso, há uma preocupação com um possível estrangulamento pelo cordão e com lesões na boca e infecções.

A nota do governo dos Estados Unidos foi publicada após diversas denúncias de acidentes com bebês por lá. Um deles infelizmente terminou em morte.

Para que serve o colar de âmbar

As pedras de âmbar são compostas em sua maior parte por ácido succínico, uma substância que teria propriedades anti-inflamatórias, fortaleceria o sistema imunológico e melhoraria da atividade cerebral.

“A crença popular diz que, como o nosso corpo possui uma temperatura maior do que a pedra, o contato da pele com o colar faria com que ele liberasse o ácido aos poucos”, explica Ana Carolina Botelho de Barros, médica do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Esse acessório se popularizou como suposta forma de redução da dor de crescimento dos primeiros dentes. Mas ele também é empregado por adultos no pós-operatório e para dores crônicas.

“Porém, a gente não tem, depois de vários estudos, uma comprovação científica mostrando esses efeitos, nem pela corrente, nem pela substância em si, nem por outro tipo de uso do âmbar”, afirma Ana Carolina.

Continua após a publicidade

Assim como o FDA, a SBP e a Associação Brasileira de Odontopediatria (ABO) não recomendam a utilização das pedras de âmbar em qualquer situação.

Como aliviar a dor de dente em bebês

O colar pode não ajudar, porém há maneiras seguras e eficazes de amenizar o incômodo com o nascimento dos dentinhos.

A pediatra da SBP sugere que a mãe ou o pai massageie a gengiva do filho com o próprio dedo – limpo, é claro – ou que ofereça a ele um mordedor de gel líquido. “Ele deve ser dado para a criança mastigar após ser refrigerado na geladeira”, orienta.

Existem ainda fitoterápicos que podem ser colocados em frutas ou no leite. Em último caso, quando a inflamação impede o pequeno de se alimentar ou dormir, é possível recorrer aos analgésicos orais.

Mas atenção: não dá pra culpar a dor de dente por qualquer incômodo do bebê ou pela dificuldade de dormir e comer. “Às vezes nem é isso. Então, na dúvida, procure orientação do pediatra ou do odontopediatra”, finaliza a especialista.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês