Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Síndrome de down: aplicativo ajuda a desenvolver fala de crianças

Criado por brasileiros, aplicativo com inteligência artificial auxilia no desenvolvimento da fala de meninos e meninas com Down

Por Maria Tereza Santos - Atualizado em 22 abr 2020, 20h00 - Publicado em 29 mar 2020, 09h39

Cerca de 60% dos portadores da síndrome de Down apresentam comprometimento da fala. “E, se isso não for tratado de forma adequada, pode afastar as crianças do convívio social e das trocas com os outros”, nota a fonoaudióloga Denise Lopes Madureira, do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo.

Para complementar o tratamento em casa, a cientista da computação Marinalva Dias Soares, mãe de uma menina com a condição, se uniu a estudiosos da Universidade de São Paulo e criou o aplicativo SofiaFala. O software capta imagens e sons produzidos nos exercícios e dá um feedback ao responsável e ao fonoaudiólogo.

“O ideal é utilizá-lo assim que a meninada começar a falar”, orienta a cientista da computação Alessandra Alaniz Macedo, coordenadora do projeto.

Algumas atitudes na rotina também ajudam as crianças

Antes do “gugu-dadá”: dá para interagir com o bebê enquanto ele ainda não fala. Use gestos, contato visual e expressões faciais.

Continua após a publicidade

Dê nome aos bois: durante refeições, banhos e brincadeiras, aponte para partes do corpo e objetos e os nomeie em voz alta.

Solta o som: reproduza barulhos de animais, cante músicas infantis, brinque de imitação e conte histórias.

Foco no baixinho: nesses momentos de troca, crie uma atmosfera agradável e interessante para o pequeno, despertando sua curiosidade.

Publicidade