Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mudanças climáticas: assunto de saúde pública

Projeções alarmantes destacam riscos gerados pela inação contra o aquecimento global

Por Lucas Rocha
1 fev 2024, 09h08

As alterações no clima já dão as caras por aí — e isso não é nada bom.

É o que adverte um relatório do reputado periódico The Lancet. Além de prejuízos constatados nos últimos anos, o documento revela estimativas de danos irreversíveis se ações não forem tomadas de imediato.

“Nosso balanço sobre a saúde revela que os riscos crescentes das mudanças climáticas estão custando, hoje, vidas e meios de subsistência em todo o mundo. As projeções de um mundo 2°C mais quente revelam um futuro perigoso e são um lembrete de que o ritmo e a escala dos esforços de mitigação vistos até agora têm sido lamentavelmente inadequados para proteger a saúde e a segurança das pessoas”, diz Marina Romanello, diretora-executiva da Lancet Countdown na University College de Londres, em comunicado.

+ Leia também: Com mundo mais quente, aumenta o impacto das mudanças climáticas na saúde

O estudo aponta que mudanças climáticas custam vidas e meios de subsistência. Eventos extremos comprometem a segurança hídrica e a produção de comida, levando ao aumento da insegurança alimentar.

Os especialistas alertam que a redução das emissões de dióxido de carbono não acontece com rapidez suficiente para manter os riscos climáticos dentro dos níveis com os quais os sistemas de saúde são capazes de lidar.

“Há um enorme custo humano gerado pela inação, e não podemos arcar com esse nível de falta de comprometimento: estamos pagando com vidas humanas. Cada instante que nós postergamos torna o caminho para um futuro habitável mais difícil e a adaptação cada vez mais cara e desafiadora”, acrescenta Marina.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Com mudanças climáticas, doenças causadas por mosquitos avançam pelo mundo

saude-ecossistema-mudancas-climaticas-aquecimento-global-infografico
Clique para ampliar (Editoria de Arte/Veja Saúde)

Saúde em risco

O ano de 2023 bateu recordes de calor em todo o planeta. Ondas de temperaturas extremas foram sentidas especialmente no segundo semestre.

Continua após a publicidade

O relatório da Lancet aponta que as pessoas enfrentaram, em média, 86 dias de altas temperaturas que ameaçam a vida entre os anos de 2018 e 2022. Um reflexo notável dos efeitos das mudanças climáticas provocadas pela ação humana.

O alerta é ainda mais relevante para os idosos. As mortes relacionadas ao calor em pessoas com mais de 65 anos aumentaram 85% no período de 2013 a 2022 em comparação com a avaliação feita de 1991 a 2000.

Os pesquisadores enfatizam ainda que o aumento da frequência e intensidade dos eventos climáticos intensos compromete a segurança hídrica e a produção de alimentos, colocando milhões em risco de desnutrição.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Animais sofrem com as mudanças climáticas

As ondas de calor e as secas mais frequentes foram responsáveis por 127 milhões a mais de pessoas passando por insegurança alimentar moderada a grave em 122 países em 2021, comparado com o valor anual entre 1981 e 2010.

Da mesma forma, a mudança nos padrões climáticos está acelerando a propagação de doenças infecciosas que causam risco à vida.

Continua após a publicidade

“O Brasil tem uma contribuição singular para o tema. Somando perspectivas de obtenção de créditos de carbono com o trabalho do SUS, podemos ser pioneiros em uma pegada efetivamente ‘One Health’, ou seja, estabelecer uma rota virtuosa e saudável de coexistências não agressivas”, afirma a médica Lígia Bahia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.