Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Blog Saúde é Pop Saúde é pop Por Blog Tá na internet, tá na TV, tá nos livros... tá no nosso dia a dia. O jornalista André Bernardo mostra como fenômenos culturais e sociais mexem com a saúde — e vice-versa.

“Não temo uma extinção por meteoritos e armas atômicas, mas por epidemias”

Médica, pesquisadora e um dos principais nomes na guerra contra a Covid-19, Margareth Dalcolmo reflete sobre desafios e aprendizados da pandemia

Por André Bernardo 9 fev 2022, 17h14

Dia desses, a pneumologista Margareth Dalcolmo, uma das principais vozes no combate à Covid-19 baseado em ciência, atendeu um paciente que foi sem máscara ao seu consultório na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. Quando pediu ao homem que colocasse o equipamento de proteção no rosto, ouviu dele que não precisava.

É que o sujeito estaria usando um modelo invisível. Diante do olhar de espanto da médica, explicou: “Comprei essa máscara invisível do pastor da minha igreja”. Depois de algum tempo, Margareth conseguiu convencê-lo a colocar uma máscara de verdade para entrar no ambulatório.

Praticamente dois anos após o início da pandemia no Brasil, o fato é que soluções inócuas ou sem sentido continuam sendo apregoadas e utilizadas por aí. Em dezembro de 2021, a médica e pesquisadora da Fiocruz lançou o livro Um Tempo Para Não Esquecer, da Editora Bazar do Tempo (clique aqui para comprar), antologia que reúne 81 crônicas publicadas entre abril de 2020 e novembro de 2021 no jornal carioca O Globo.

capa do livro
Foto: Bazar do Tempo/Divulgação

“Ao reler as crônicas, senti empatia e compaixão. São esses os sentimentos que me impelem na rotina diária pesada. Assim já era e ficou ainda mais no período da pandemia”, relata.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

Que lições e presságios podemos tirar dessa crise toda? “Não temo a extinção da vida no planeta por meteoritos ou armas atômicas e, sim, por epidemias. O homem é tão predador que propicia o surgimento de novas epidemias. Outras virão, sem dúvida”, reflete Margareth.

Sobre a CPI da Covid-19, que apurou negligências, falhas e crimes ligados ao governo federal e ao âmbito privado durante o enfrentamento do coronavírus e indiciou 66 pessoas e duas empresas, a médica acredita que, um dia, os responsáveis vão pagar pelas omissões e barbaridades que cometeram.

“Os céticos diriam que é idealismo, mas não quero perder as esperanças. Milhões em recursos públicos foram gastos em remédios inúteis, que denominei saquinhos de ilusão, em detrimento de investimento em produtos e serviços de boa qualidade”, argumenta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)