Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Fim das Dietas Por Blog Antonio Lancha Jr, professor titular com mestrado, doutorado e livre docência em Nutrição pela USP e autor do livro O Fim das Dietas (Ed. Abril), indica como emagrecer sem cair em promessas furadas.

Emagrecer após a menopausa: tem jeito, sim!

Essa fase da vida é associada ao ganho de peso - mas não por causa da redução no gasto calórico! Saiba como alcançar a forma física desejada no climatério

Por Antonio Lancha Jr. 3 dez 2019, 14h30

Muitas amigas me falam que, depois da menopausa, não há como emagrecer. “O meu metabolismo ficou lento e engordei rapidamente”, dizem.

Eu ouvi isso tantas vezes que resolvi dedicar uma coluna a elas. Até porque essa crença não é real. “Só fala isso quem não é mulher”, você pode responder. E tem razão, não sou mesmo. Mas minha análise será técnica, pode acreditar.

Os estudos em relação a essa fase da vida demonstram algumas mudanças corporais bem conhecidas. E sim: as alterações hormonais modificam os sinais para distribuição da gordura corporal feminina.

Durante o período reprodutivo, há uma predominância de acúmulo de gordura na coxa da mulher. Após a menopausa, ela entra no padrão masculino, com maior depósito gorduroso no abdômen. Essa é a gordura visceral.

A gordura visceral é mais danosa para a saúde como um todo. É por essa razão que os problemas cardíacos, que acometem os homens em toda sua vida, ocorrem em maior proporção no sexo feminino do climatério em diante.

Continua após a publicidade

Porém, a mulher que atravessou essa fase não possui, por fatores fisiológicos, qualquer alteração que determine um aumento da gordura no corpo como um todo. Vou repetir: o organismo feminino não sofre uma redução no gasto calórico depois da menopausa.

O que ocorre é uma diminuição da atividade física espontânea e, consequentemente, uma queda do gasto calórico diário. As razões pelas quais isso ocorre são variadas. Elas incluem menor disposição, redução das horas de sono, alterações de humor e por aí vai.

Isso significa que lidar com os eventuais desconfortos que a menopausa gera é fundamental. Só assim você impede que eles fomentem o sedentarismo e, consequentemente, iniciem um processo de engorda.

O que fazer então para amenizar as repercussões do climatério? Eu sugiro:

  1. Conversar com seu médico sobre as alternativas para melhorar os sintomas dessa fase
  2. Cuidar do seu sono. Noites consecutivas bem dormidas garantem a disposição e o humor para se exercitar. E a prática regular de atividade física, por sua vez, melha o sono. É um circulo virtuoso
  3. Valorizar as oportunidades de gasto calórico, mesmo que elas sejam pequenas. Subir escadas, caminhar mais e fazer pequenos deslocamentos no dia são bons exemplos. E, claro, vale a pena guardar espaço na agenda para exercícios físicos programados.

No fim, encare a menopausa como um desafio onde a solução está ao seu alcance. E conte com a atividade física como sua maior aliada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês