Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Fim das Dietas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Antonio Lancha Jr, professor expert em atividade física e nutrição da USP e autor de livros como "O Fim das Dietas", ensina como emagrecer sem cair em promessas furadas
Continua após publicidade

Álcool engorda, e não só por ser calórico. Como evitar?

Nosso colunista traz mais razões que tornam as bebidas alcoólicas engordativas. E dá dicas sobre o que comer ao tomar cerveja, drinques e afins

Por Antonio Lancha Jr.
7 jan 2021, 18h37

Você já deve saber que o álcool é calórico. Para ter ideia, um grama de carboidrato fornece 4 calorias (kcal) — o mesmo vale para a proteína. A gordura, por sua vez, concentra 9 calorias por grama. Na mesma quantidade, o álcool carrega 7 calorias. Ou seja, ele é mais energético que carboidratos e proteínas, perdendo apenas para a gordura.

Mas a relação entre os drinques e o crescimento da barriga não se limita a essa matemática simples. Frequentemente ouço amigos dizerem que, para não engordarem, maneiram nos alimentos com carboidrato ao abusarem das bebidas alcoólicas. Só que isso simplesmente não faz sentido!

O processamento do álcool pelo corpo é altamente concorrente com o dos carboidratos. Isso significa que, quando bebemos, reduzimos a capacidade de ofertar glicose para o organismo. O fígado processa 90% do álcool utilizando as mesmas substâncias que servem para produzir glicose.

Assim, se a ingestão de bebidas alcoólicas for elevada, o carboidrato não é aproveitado direito e a concentração de glicose no sangue cai. Resultado: hipoglicemia. Como o cérebro “prefere” utilizar esse nutriente como fonte de energia, surge a confusão mental ou até a perda de consciência. Tanto é que, em caso de coma alcoólico, o procedimento consiste em injetar glicose na veia, justamente para conter essa consequência.

Continua após a publicidade

Digo tudo isso para reforçar a importância de não abdicar do carboidrato nesses momentos. Ele pode ajudar a manter o corpo ligado — e suas “calorias competem com as do álcool” (as calorias dos carboidratos são mais dificilmente convertidas a gordura que as do álcool).

Outro ponto: o álcool favorece a síntese de gordura no fígado e exerce grande influência sobre os mecanismos de controle da ingestão de alimentos. Sim, ele promove fome! Lembro dos mais antigos dizendo que cerveja, cachaça e afins estimulavam o apetite. O que era uma observação empírica hoje foi corroborado pelo conhecimento científico.

Continua após a publicidade

Então, se for para reduzir algum alimento em situações de grande ingestão alcoólica, concentre-se nos ricos em lipídios (gorduras, como dizem por aí). São frituras, queijos, carnes etc. Esses favorecerão, juntamente com o álcool, a deposição de gordura pelo corpo, o que termina em mais pneus aqui e acolá.

A ciência inclusive revelou um fenômeno curioso e contundente nesse sentido. Quando ingerimos bebidas alcoólicas, diminuímos a oxidação de gordura. Ou seja, a capacidade de queimar gordura corporal cai. Para piorar, essa oxidação resulta em uma redução nos sinais de saciedade, o que também estimula um maior consumo alimentar.

É claro que, no fim das contas, o melhor a fazer é não abusar do álcool, até porque a saúde vai muito além do emagrecimento. Mas lembre-se: quando for beber, não prive seu corpo de alimentos contendo carboidratos e preste mais atenção naqueles ricos em gordura.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.