Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Guenta, Coração

Por Blog
Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito
Continua após publicidade

Qual a melhor hora do dia para praticar exercícios físicos?

Mesmo com estudos provando ganhos nos treinos matutinos e outros em atividades realizadas mais tarde, a resposta pode ser um aleatório “depende”

Por Renato Pelaquim, especialista em fisiologia do exercício*
9 set 2023, 10h58

O melhor horário para a pessoa se exercitar depende de vários fatores, incluindo o objetivo do treino.

É ganhar massa muscular? Aprimorar o condicionamento físico? Dormir melhor? Emagrecer? Controlar a pressão arterial? Manter uma vida social frequentando uma academia? Aumentar a concentração ou a coordenação motora? Afastar riscos cardiovasculares de maneira geral?

Caso a resposta inclua os níveis de pressão, evidências demonstram resultados ligeiramente superiores quando o indivíduo treina no final da manhã. Oque pode ser, portanto, uma boa dica aos pacientes com hipertensão.

Outro ponto positivo da atividade matutina é que as benesses semeadas pelosos exercícios realizados chegam a ser colhidas ao longo do mesmo dia: alívio das tensões musculares e maior regulação metabólica são exemplos.

+ Leia também: A creatina realmente aumenta performance e massa muscular?

É fato que a maioria destes resultados também serão conquistados com treinos noturnos. Porém, alguns praticantes referem dificuldade para dormir quando treinam pouco antes de ir para cama. O recomendável é encerrar as séries até duas horas antes desse momento.

Quando o assunto é força e desenvolvimento, há estudos que mostram que o pico de potência acontece à tarde/noite, devido a uma melhor temperatura corporal na região dos braços e pernas.

Continua após a publicidade

Já para quem pretende melhorar o condicionamento aeróbio, a situação se inverte e a conquista do esforço máximo é favorecida entre 8h e 9h.

Seguindo esta máxima, é recomendável investir nas primeiras horas da manhã em treinos de média intensidade – aqueles que nos deixam um pouco ofegantes, mas com tolerância.

Pessoas de meia idade e idosos estariam incluídos neste grupo como parte de um projeto para favorecer um envelhecimento saudável, associado ao fortalecimento muscular.

+ Leia também: Perigo silencioso, acúmulo de gordura nos músculos aumenta risco de morte

Nem sempre é assim…

Apesar de as pesquisas apontarem vantagens e desvantagens de realizarmos as atividades físicas neste ou naquele horário, certas questões podem fazer mais diferença do que o ciclo circadiano em si.

Por exemplo, há hábitos de sono e alimentação que ajudam ou prejudicam o treino.

Continua após a publicidade

Também vale observar como o próprio corpo responde. Há aqueles que têm mais disposição matutina e outros vespertina.

E o mais relevante: nem sempre é possível eleger o melhor horário, mas sim o horário possível para encaixar os exercícios na rotina, considerando escola, trabalho e demais obrigações do dia a dia. Isso, sim, é o mais importante.

Quem treina deve se esforçar para manter a prática sempre no mesmo período, facilitando para que os processos metabólicos se regulem de acordo com os estímulos propostos.

rio-de-janeiro-caminhada-orla-copacabana-atividade-fisica
Quem treina deve se esforçar para manter a prática sempre no mesmo período (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação)

Atividade física é necessidade

Quando o objetivo é longevidade com qualidade de vida, se exercitar é tão primordial quanto se alimentar.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda, no mínimo, 150 e, preferencialmente, 300 minutos por semana de atividades moderadas ou 75 a 150 minutos de vigorosas.

Continua após a publicidade

Estes são os parâmetros ideais para a conquista de benefícios para a saúde física e mental.

A prática melhora os padrões de sono e se relaciona com a liberação de melatonina.

Este hormônio, relacionado à indução de sono, contribui indiretamente para a reparação de diversos tecidos corporais, que ocorre enquanto dormimos, o que favorece o ganho de massa muscular.

Isso porque a musculatura que teve seus estoques de energia “esvaziados” durante o dia é restaurada. Também é consequência dos exercícios físicos a diminuição dos picos do hormônio cortisol, o que mantém o estresse e a ansiedade sob controle.

+ Leia também: Exercício é essencial após a bariátrica pois modula o cérebro

Da mesma forma, as atividades são recomendáveis para domar a glicemia e o colesterol LDL – conhecido popularmente como “ruim” – o que, naturalmente, tende a levar ao emagrecimento saudável.

Continua após a publicidade

Por fim, um corpo em movimento aumenta a sensação de saciedade – o que diminui a compulsão alimentar.

Todos estes fatores são o saldo positivo – e merecido – de quem pratica atividade física assiduamente e com foco.

Lembrando que os profissionais de educação física e os fisioterapeutas devem ser consultados sem moderação para que o efeito dos treinos nunca traga problemas. Só soluções.

*Renato Pelaquim é diretor-executivo do Departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.