Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Guenta, Coração

Por Blog
Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito
Continua após publicidade

A raiva nos afasta das pessoas e nos aproxima das doenças

Com as eleições, esse sentimento anda aflorado. Só que ele não faz nada bem à saúde, como explica especialista

Por Suzana Pacheco Avezum, psicóloga e psicanalista*
Atualizado em 28 out 2022, 09h26 - Publicado em 28 out 2022, 09h25

Este ano eleitoral tem se superado na promoção de um estado de exasperação coletiva motivado por posições políticas antagônicas e por uma total incapacidade de compreender (ou ao menos respeitar) que amigos e familiares podem ter visões diferentes sobre um mesmo tema.

É um cenário que favorece a raiva, uma emoção básica e natural do ser humano, mas que, ao extrapolar o bom senso, prejudica o convívio social, reduzindo nosso círculo e lançando pessoas queridas no hall das desprezadas.

Desencadeada após um evento de contrariedade ou frustração, mas também como resposta a uma ofensa injusta e desmedida, a raiva pode ser entendida como um mecanismo de defesa.

Ela estimula a produção de hormônios responsáveis por nossas reações defensivas, como quando estamos prestes a atacar ou sermos atacados – ou seja, tem a ver com tudo que sugere agressividade ou necessidade de fuga. Olhando por esse lado, a raiva seria até saudável, funcionando como impulso para ações necessárias ou motivação para mudanças.

Continua após a publicidade

Porém, alguém colérico, que convive constantemente com essa sensação, sofre os efeitos negativos do estímulo: destilar raiva em tempo integral faz mal ao corpo e à alma.

Os danos emocionais são comprovados pelo constante estado de mal-estar. Não é raro identificarmos e rotularmos pessoas como mal-humoradas, ranzinzas e bravas. O resultado é que elas têm dificuldade em relacionamentos de todos os tipos.

Compartilhe essa matéria via:

O impacto no organismo

O corpo bombardeado diariamente pelas substâncias químicas derivadas desse processo de raiva entra em estado de estresse. Afinal, a descarga de adrenalina é muito grande, causando alterações fisiológicas importantes, inclusive do ponto de vista cardiovascular, como aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos.

Em casos extremos, a raiva pode até ser considerada responsável por enfermidades graves, como o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC).
Alguns estudos já até demonstram uma associação entre raiva e diabetes: os mais raivosos teriam maior tendência em desenvolver a doença.

Tonturas, vertigens, tremores, inquietação, cansaço físico excessivo, falta de memória, problemas gastrointestinais, insônia e distúrbios alimentares (com aumento ou diminuição da ingestão de alimentos) também estão entre os malefícios físicos promovidos pela raiva.

Continua após a publicidade

Refletindo sobre isso, publicamos no site da SOCESP esclarecimentos sobre a raiva e o impacto dela na saúde cardiovascular e geral.

Use a caixa de busca ou clique no índice para encontrar o verbete desejado:

Raiva e espiritualidade

Não é fácil, mas é possível gerenciar o que nos causa raiva. Uma vez que conseguimos identificar os focos geradores – e isso é subjetivo – temos que aprender a evitar as situações que provocam esse sentimento.

Continua após a publicidade

Cada um tem seu gatilho, mas um dos mais comuns é a dificuldade em lidar com frustração. Por isso, uma postura mais positiva perante à vida e ao outro é uma possibilidade.

Aceitar que nada é perfeito e que a frustração pode ser uma excelente aliada para nos levar a tentar novamente é um caminho viável.

Nesse sentido, cabe aqui falar da dificuldade de se lidar com as diferenças: a intolerância com os que pensam de outra maneira, que fazem escolhas contrárias às nossas e que têm outras crenças é algo que merece ser apontado como um dos fatores causadores da raiva.

Continua após a publicidade

Note que as mesmas pessoas que militam corretamente a favor da aceitação e inclusão das diferenças podem ser autores de atos de intolerância.

Entender que certas coisas são imutáveis e aprender a não brigar e a relevar quando alguém nos contraria afasta a raiva do nosso dia a dia.

Temos capacidade de sermos felizes mesmo quando nem tudo é do jeito que gostaríamos, desde que possamos desenvolver capacidade de tolerar as frustrações e contrariedades.

Continua após a publicidade

Perdoar quem nos ofendeu entra nesse ranking de busca pela espiritualidade que faz bem ao coração – nos dois sentidos – e deixa a raiva limitada ao seu lugar, sem extrapolar.

Ofensas infundadas e bate bocas infindáveis, que se tornaram recorrentes nos últimos tempos por motivos políticos, devem ser evitados e não apenas para mantermos as boas relações, mas porque ninguém muda a opinião do outro com truculência.

A única coisa capaz de mudar quando nos alimentamos de doses diárias de raiva é a nossa saúde física e mental. Para pior.

*Suzana Pacheco Avezum é psicóloga e psicanalista e diretora executiva do Departamento de Psicologia da SOCESP.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.