Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Futuro do Diabetes

Por Blog
Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista, pesquisador da USP de Ribeirão Preto e criador do Endodebate e do Diacordis. Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do diabetes
Continua após publicidade

Ozempic falsificado: o fim da picada

Lotes irregulares desse medicamento para diabetes tipo 2 foram encontrados pela Anvisa. E há riscos enormes em comprar remédios sem procedência

Por Carlos Eduardo Barra Couri
28 fev 2024, 12h06

Imagine investir em um medicamento para o tratamento do diabetes tipo 2, mas, aí, descobrir que você caiu num golpe? Pois é. Recentemente a Anvisa detectou três lotes falsificados de Ozempic – dois no ano de 2023 e um lote agora em 2024.

O Ozempic é o nome comercial de um medicamento à base de um hormônio chamado semaglutida. Assim como outros da mesma classe, ele possui ação semelhante ao hormônio produzido pelo intestino chamado GLP-1. A prestigiosa revista Science estampou em sua capa esse grupo de remédios como o “avanço do ano de 2023”.

Segundo a farmacêutica Laura Fonseca Orlando, gerente de qualidade e farmacovigilância da farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk no Brasil, os lotes falsificados apreendidos tinham embalagens semelhantes às comercializadas no Brasil, mas em idioma espanhol. “A patente da semaglutida vai até o ano de 2026 no Brasil e a legislação é clara em apontar que é proibido se comercializar produtos que ainda não perderam patente”.  

E a novela da falsificação não para por aí: “Já foram encontrados produtos ditos à base de semaglutida em farmácias de manipulação, sob a forma de comprimidos, implantes subcutâneos, adesivos e até de uso nasal”, afirma Laura. 

Segundo a farmacêutica, para importar e comercializar semaglutida no Brasil, é necessário ter o licenciamento na Anvisa. Um ponto para pensar é que não haveria o mercado da falsificação sem consumidores comprando, com ou sem consciência, esse tipo de produto. 

+Leia também: Parar de fumar reduz em até 40% o risco de diabetes tipo 2

Se pesquisar sobre o Ozempic na internet, você vai encontrar ofertas de diversas formulações, com preços usualmente mais baixos e em apresentações não aprovadas no Brasil. Recentemente, a Anvisa se comprometeu a utilizar seus esforços para reduzir 95% das propagandas irregulares de medicamentos na internet. 

Imagine uma pessoa com diabetes tipo 2 usando semaglutida falsificada. “Além de não sabermos que tipo de substâncias existe nesse produto irregular, haverá sérias questões sobre eficácia e segurança envolvidas”, alerta Thais Emy Ushikusa, gerente médica da Nordisk Brasil. 

E tem um outro ângulo nessa história. No Brasil, grande parte do Ozempic “original” vendido nas farmácias é adquirido sem receita médica, apesar de ser um medicamento com tarja vermelha. E essa sinalização tem sentido: ela indica que deveria ser obrigatória a apresentação da receita. 

Segundo consta no site da Anvisa, isso é importante porque esses medicamentos podem trazer efeitos colaterais indesejáveis, caso sejam usados inadequadamente.

No Brasil , apesar de Ozempic ser aprovado para o tratamento do diabetes tipo 2, um número enorme de pessoas faz uso com o objetivo de emagrecer

Continua após a publicidade

Temos aprovado por aqui o Wegovy desde janeiro de 2023, uma versão com dosagem mais alta de semaglutida para pacientes com excesso de peso, mas ele ainda não está disponível nas farmácias para a compra. O efeito desse remédio no peso corporal em geral é ainda maior do que o do Ozempic. 

Por isso, todos nós como sociedade temos que ficar ainda mais atentos para coibir e evitar o uso indevido e o acesso a medicamentos falsificados. 

Regras gerais para evitar remédios falsificados são simples: 

  • Use apenas medicamentos prescritos pelo seu médico. 
  • Compre em farmácias conhecidas. 
  • Fique atentos às características do rótulo e do produto após aberto.
  • Tenha cuidado com pechinchas: via de regra, produtos baratos demais são suspeitos de falsificação ou até mesmo de contrabando. 

Se houver suspeita de ter adquirido um medicamento falsificado, a primeira coisa a fazer é entrar em contato com seu médico e com a Anvisa. A agência possui diversos canais disponíveis ao público. Para acessá-los, basta clicar aqui.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.