Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Futuro do Diabetes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista, pesquisador da USP de Ribeirão Preto e criador do Endodebate e do Diacordis. Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do diabetes
Continua após publicidade

Insuficiência renal crônica no diabetes: nova ferramenta ajuda na detecção

Rápida e gratuita para pacientes, ela pode colaborar na investigação de casos ainda sem diagnóstico

Por Carlos Eduardo Barra Couri
Atualizado em 27 jul 2023, 10h04 - Publicado em 27 jul 2023, 10h02

O diabetes é a principal causa de doença renal crônica no mundo e uma das principais aqui no Brasil, disputando com a hipertensão o posto de primeiro lugar.

A diminuição da função filtrante dos rins pode acarretar quadros de inchaço, falta de ar, anemia, confusão mental, coceira generalizada e diminuição do volume urinário.

Estes sintomas, porém, são tardios e indicam maior gravidade do quadro.

Para surpresa de muitos leitores, na maior parte do tempo a insuficiência renal passa despercebida. Isso mesmo: muitos podem estar lendo esta matéria e nem saber que o órgão está com problemas.

Continua após a publicidade

Além da necessidade de diálise ou de transplante de rim, a diminuição da função renal por si só é uma causa de problemas cardíacos e até morte. E muitos nem sequer conseguem se submeter a estas terapias.

Nos últimos 10 anos, a prevenção e o manejo da insuficiência renal evoluíram muito no Brasil, com a chegada de tratamentos comprovadamente eficazes em retardar a disfunção dos rins (tratamentos disponíveis no SUS, inclusive).

+ Leia mais: O brasileiro precisa cuidar melhor dos rins

Continua após a publicidade

Mas nada disso adianta se a pessoa não tiver o diagnóstico em mãos.

Subdiagnóstico é um problema

Até em países desenvolvidos, a taxa de subdiagnóstico ultrapassa os 80% dos pacientes. Dados alemães, por exemplo, apontam que 30% dos pacientes com estágio 4 de insuficiência renal passam em consulta sem diagnóstico.

E olha que o estágio 4 já é a fase pré-diálise. No mesmo estudo, cerca de 50% das pessoas que se encontram no estágio 3 estão sem o correto diagnóstico.

Continua após a publicidade

Falta de diagnóstico é sinônimo de falta de oportunidade de tratamento. Durante a pandemia de Covid, a quantidade de exames para avaliar a saúde renal realizados caiu bastante, assim como caiu o número de consultas médicas.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Uma ajuda ao rastreamento

O rastreamento é feito com exames simples como a dosagem de creatinina no sangue e a quantificação de proteína na urina (albuminúria em amostra isolada de urina). São exames disponíveis nos convênios e no SUS.

Continua após a publicidade

Contudo, num país continental como o nosso, muitos indivíduos não possuem acesso nem a estes exames simples de rastreamento.

E é neste cenário que a empresa Gendius desenvolveu uma ferramenta simples, gratuita e fácil de manusear, capaz de indicar se uma pessoa tem maior risco de formas moderadas ou avançadas de insuficiência renal crônica.

Nesta ferramenta, desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca e apoio da ADJ Diabetes Brasil, basta a pessoa com diabetes tipo 2 e com mais de 18 anos de idade inserir a sua idade, gênero, duração do diabetes, peso, altura e valor da pressão arterial.

Continua após a publicidade

Com estas 6 variáveis, a ferramenta indica um escore de risco do indivíduo. E este escore poderá nortear a conduta da equipe de saúde.

Num ambiente de escassez de recursos como diversas áreas do Brasil, ferramentas como esta podem ajudam a direcionar recursos mais complexos de diagnóstico para aqueles que possuem maior risco de doença renal.

Clique neste link e calcule seu risco de ter doença renal crônica em graus moderados ou avançados. Mostre o resultado para a equipe de saúde e cuide-se.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.