Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Falar Inspira Vida

Neste espaço, especialistas e articulistas vinculados ao Movimento Falar Inspira Vida promovem orientações e discussões sobre cuidados com a saúde mental e o controle de doenças como a depressão
Continua após publicidade

Saúde mental precisa entrar de verdade na gestão das empresas

O que está realmente em jogo quando se discute a prevenção de transtornos psíquicos no ambiente de trabalho

Por Tania Machado, presidente do HUBRH+AAPSA*
Atualizado em 5 dez 2022, 14h14 - Publicado em 5 dez 2022, 14h14

As empresas ainda enfrentam muitas dificuldades para criar programas de saúde emocional e mental por duas razões: o medo de se expor de quem está com um problema e o preconceito e a falta de informação segura entre funcionários e gestores para saber como lidar com o assunto.

Na prática, a riqueza de uma corporação depende da saúde física e mental dos trabalhadores, e certamente o diagnóstico precoce de um eventual transtorno contribui para preservar o bem-estar do colaborador e o sucesso da companhia. Para isso, as empresas precisam olhar mais para seu capital humano e investir na qualidade de vida e na gestão de saúde dos colaboradores.

As organizações devem buscar diminuir o sentimento de exaustão vivenciado cada vez mais pelas pessoas, tendo escuta ativa e profissionais à disposição para identificar sinais de problemas, fazer diagnósticos e viabilizar tomadas de decisão acertadas.

Realizamos uma pesquisa pelo HUBRH+AAPSA que aponta que 66% das empresas estão preocupadas com a saúde mental hoje. De fato, após a pandemia, esse tema se tornou prioritário.

Nossa associação ouviu profissionais de recursos humanos de grandes empresas (com mais de 500 funcionários) com o intuito de endereçar suas principais necessidades e estabelecer a saúde corporativa como uma ferramenta estratégica. Descobrimos que a gestão do bem-estar mental é o grande desafio do momento.

Continua após a publicidade

No início da pandemia, a principal dificuldade era engajar os colaboradores a se manterem saudáveis física e mentalmente em um cenário desconhecido e adverso. Atualmente, essa demanda continua em alta, mesmo com o termo “novo normal” já não fazendo tanto sentido.

Trata-se de uma questão complexa especialmente para os brasileiros. Segundo o Ministério da Saúde, a ansiedade é o transtorno psíquico mais comum na população e 86% dos participantes de um estudo do governo admitiram estar mais ansiosos nos últimos tempos.

+ LEIA TAMBÉM: Dormir bem entra na lista de medidas protetoras ao coração

Isso vai de encontro aos achados da pesquisa do HUBRH+AAPSA. A possível volta para o escritório, o luto experimentado por alguns colaboradores que perderam seus familiares, as sequelas da Covid-19, o absenteísmo, a sinistralidade e as incertezas que ainda pairam sobre o controle da doença são pontos que tiram o sono de todos, sobretudo dos responsáveis pela gestão de pessoas nas organizações.

Continua após a publicidade

Não há mais dúvidas de que os desgastes emocionais estão no centro do debate de toda a sociedade. E isso passa pelas empresas, onde a área de RH precisa prezar como nunca antes a inteligência emocional e o bem-estar como pilares da experiência do colaborador.

Além de garantir um retorno seguro, eficiente e sem neuras ao ambiente de trabalho, os profissionais de recursos humanos e as lideranças têm de incluir essa preocupação em seu planejamento futuro, tendo em vista a nova realidade e a ressignificação do que é um “alto desempenho”. Foi-se o tempo de priorizar só entregas rápidas e com qualidade e se esquecer da qualidade de vida e do estado emocional de quem as realiza.

A empresa onde você trabalha ou sob a sua responsabilidade tem programas de saúde? Faz gestão de saúde populacional? O que é feito com os dados de saúde dos funcionários? São inúmeras perguntas críticas a que alguns gestores não tem resposta hoje. Isso precisa mudar! Que tal começar com pequenas iniciativas, reavaliadas e reajustadas de tempos em tempos?

Há nove anos criamos um comitê de saúde corporativa que atua no desenvolvimento de processos de gestão integrada e disponibiliza aos profissionais de RH conhecimento técnico para implementar boas práticas na gestão de saúde de suas empresas. Esse cuidado se reflete em toda a cadeia e agrega valor para todo o ecossistema envolvido.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Por que não podemos negligenciar o tratamento da depressão?

Ambiente saudável

Para que o ambiente de trabalho seja saudável do ponto de vista mental, ele deve proporcionar oportunidades razoáveis para a autorrealização e a melhoria da autoestima. E não pode negligenciar fatores que circundam a satisfação e o sentimento de realização do funcionário, bem como a noção do bem-estar comum.

O ambiente ideal inclui:

• Cooperação e diálogo entre os trabalhadores e gestores;
• Reconhecimento da contribuição do trabalhador;
• Perspectivas de carreira e desenvolvimento profissional;
• Promoção da saúde física e mental do trabalhador;
• Respeito pela individualidade e moralidade;
• Ausência de discriminação e assédio sexual e moral;
• Respeito, em todos os sentidos.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Nesse sentido, é preciso superar a ideia de “profissional de alto desempenho”, traduzida nas organizações como a busca incessante do resultado e da produtividade. Muitas vezes, é invisível para a empresa o que é um trabalho realmente bem feito, assim como o processo “mão na massa” por trás dos resultados, os propósitos em jogo e a importância de um time coeso e feliz. Mas só olhando para esses pontos uma empresa consegue realmente se manter lucrativa e sustentável.

Um estilo de supervisão autoritária ou abusiva não só consome mais recursos internos dos funcionários no dia a dia como prejudica a capacidade produtiva, o significado do trabalho, o entusiasmo e a motivação para inovar.

Da mesma forma, ignorar o cuidado com a saúde mental só irá colocar mais peso sobre os colaboradores e onerar as próprias empresas. Há uma década o Ministério da Previdência Social já colocava depressão, ansiedade e outros transtornos como os problemas mentais e comportamentais mais frequentes entre os trabalhadores.

Continua após a publicidade

É imprescindível que as companhias, e os psicólogos e gestores que nelas atuam, entendam os fatores ligados ao sofrimento mental e como as crenças e o autocuidado dos colaboradores estão consonantes ou dissonantes da missão e dos valores da organização. O olhar para o bem-estar mental potencializa e promove a integração entre pessoas e empresas, gerando êxitos para ambos os lados.

Compartilhe essa matéria via:

* Tania Machado é presidente do HUBRH+AAPSA

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.