Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Experts na Infância

Por Blog
Pediatras e outros experts da Sociedade de Pediatria de São Paulo discutem e ensinam medidas básicas para a criançada se desenvolver com saúde
Continua após publicidade

O papel do pai nos primeiros 1 000 dias da criança

Ele deve ser presente e ativo para que o filho possa se desenvolver plenamente

Por *José Gabel, pediatra
Atualizado em 16 nov 2019, 12h10 - Publicado em 16 nov 2019, 11h10

Os 1 000 dias correspondem ao período da vida que vai da concepção até o final do segundo ano de vida da criança. O que acontece nessa fase, em termos de saúde física e emocional, será crucial para garantir seu crescimento e desenvolvimento saudáveis. Nesse momento, a criança depende dos cuidados de um adulto e, por isso, é fundamental que tenha um ambiente adequado e acolhedor para criar laços fortes com seus principais cuidadores: mãe e pai.

O pai é aquele que chega para estabelecer com o filho a primeira relação que vai além da mãe. E ele precisa estar presente em todos os instantes da vida da criança. Cabe notar que a figura paterna deixou de ser autoritária, sem expressão de sentimentos e afeto, e começou a conquistar novos espaços. Foi-se o tempo em que o homem era visto como o mais bravo da casa! Mas, claro, deve haver autoridade. Esta deve ser utilizada para dar orientações certeiras e gerar confiança e independência – e não provocar medo.

Sem falar que ele também é fonte de segurança para a mulher. Portanto, seu envolvimento com o bebê deve ser iniciado o mais precocemente possível. Isso ajudará a proporcionar o fortalecimento dos vínculos familiares e o desenvolvimento da personalidade da criança. Ações como acariciar, segurar no colo, dar medicações, trocar fraldas, estar com a mãe durante as mamadas e acalentar são fatores positivos, capazes de aprimorar o desenvolvimento global da criança.

A participação efetiva do pai na vida de um filho promove segurança, autoestima, independência e estabilidade emocional. Atualmente, eles estão cada vez mais inseridos nos cuidados com os bebês, principalmente com a nova realidade social, na qual os homens têm exercido o papel de compartilhar as tarefas com a mulher dentro de casa.

Continua após a publicidade

Mas é necessário que o pai não esteja presente apenas fisicamente. Ele deve contribuir para a educação e a formação dos filhos. Esse maior nível de envolvimento paterno está relacionado a menores índices de problemas de comportamento na infância (especialmente no que diz respeito à agressividade infantil) e a um melhor desempenho acadêmico, entre outros benefícios.

Quando uma criança se vê rejeitada pelo pai, ou não sente que é desejada como filho, existe o risco de ficar frustrada, insegura e ansiosa. Essa quebra do vínculo afetivo pode repercutir nas relações que ela desenvolve no futuro, comprometendo a formação de novos laços. Por outro lado, quando se sente querida, a noção de bem-estar é muito maior e isso é essencial para o desenvolvimento emocional.

Então, pai, aqui vão algumas dicas:

1. Seja proativo desde o nascimento, dividindo tarefas e a responsabilidade dos cuidados com o bebê.

Continua após a publicidade

2. Participe das atividades e das brincadeiras, e encontre seu caminho para construir dinâmicas exclusivas entre vocês dois. Conversar com amigos e conhecidos sobre o assunto pode ajudar.

3. Tenha momentos de qualidade com o seu filho, sem pressa. É a melhor forma de viabilizar um aprendizado conjunto.

4. Converse com os pediatras, professores e profissionais que atendem a sua criança.

José Gabel é pediatra e membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.