Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

É verdade ou fake news?

Por Blog
Notícia falsa faz mal à saúde. Com o apoio de especialistas e da ciência, desconstruímos os mitos que estão sendo curtidos e compartilhados.
Continua após publicidade

O paracetamol está infectado com um vírus mortal? Mentira!

Notícia falsa que circula na internet orienta as pessoas a não usarem um tipo desse analgésico. Fomos averiguar o que a ciência diz sobre o assunto

Por André Biernath
Atualizado em 30 jan 2020, 15h48 - Publicado em 12 jun 2018, 12h30

“Aviso urgente! Cuidado para não tomar o paracetamol que vem escrito p-500. É novo, muito branco e brilhante brilhante [sic]. Os médicos provam que contêm o vírus Machupo, considerado um dos vírus mais perigosos do mundo com elevada taxa de mortalidade”. Esse é um trecho de uma mensagem que tem circulado nas redes sociais nas últimas semanas (veja abaixo). A postagem ainda traz uma série de imagens alarmantes e, diga-se, de extremo mau gosto.

paracetamol e machupo
(Foto: Divulgação/SAÚDE é Vital)

Para tentar saber o que há por trás dessa história, conversamos com o farmacologista Marcelo Muscará, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). O expert garante que não há um pingo de verdade nessa informação. “A indústria farmacêutica tem um controle de qualidade muito rígido e uma coisa dessas nunca poderia acontecer sem passar despercebida”, esclarece.

E tem mais: um blister e uma caixa de papelão fechada não são lá o melhor lugar para um vírus chamar de casa. “Ele não consegue sobreviver por muito tempo num ambiente seco, como um comprimido. Essas formulações têm menos de 1% de água”, acrescenta Muscará. Além disso, o medicamento tem uma série de outros componentes junto com o princípio ativo que servem para estabilizar a fórmula, como sorbitol e manitol. Essas substâncias não permitiriam que um agente infeccioso se estabelecesse por ali.

De acordo com o site Boatos.org, uma versão parecida dessa fake news circulou há alguns anos em Moçambique. Na ocasião, o paracetamol “estaria infectado” com o ebola. Como havia um pânico geral em relação a esse vírus no continente africano, é natural que a baboseira se alastrou como fogo pelas redes sociais de lá. 

Continua após a publicidade

Tentamos contato com a Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição (Abimip), o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo e a farmacêutica Johnson & Johnson, fabricante de um dos remédios com paracetamol mais populares do Brasil, mas as três entidades preferiram não se manifestar sobre o assunto.

Recentemente, outra fake news parecida, dessa vez com o remédio dipirona, foi disseminada nas redes sociais.

O paracetamol

Continua após a publicidade

Trata-se de um analgésico prescrito para controlar a dor e a febre. No Brasil e em boa parte do mundo, é uma droga vendida sem receita médica. Porém, é preciso tomar cuidado com o abuso: o consumo inadequado desse fármaco pode prejudicar pra valer o funcionamento do fígado.

O vírus Machupo

Transmitido por uma espécie de roedor típica da Bolívia, ele ficou famoso nos anos 1960, quando causou um surto de febre hemorrágica nesse país sul-americano. A infecção é marcada por febre, dor de cabeça, fadiga e sangramento nasal. Ele integra a lista dos vírus mais perigosos da Organização Mundial da Saúde.

Viu alguma notícia suspeita por aí? Manda pra gente que nós vamos investigar!

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.