Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

É verdade ou fake news?

Por Blog
Notícia falsa faz mal à saúde. Com o apoio de especialistas e da ciência, desconstruímos os mitos que estão sendo curtidos e compartilhados.
Continua após publicidade

Flúor no abastecimento público de água não faz mal e previne cáries

Explicamos como funciona essa substância na proteção dos dentes para desconstruir mitos sobre as propriedades do flúor e sua ação no organismo

Por Fabiana Schiavon
Atualizado em 6 set 2022, 12h21 - Publicado em 6 set 2022, 11h52

Cáries sem tratamento causam dor e até a perda dos dentes. Essa já foi uma questão grave no Brasil. Entre as ferramentas para evitá-la está o uso do flúor, normalmente presente em cremes dentais e outros itens odontológicos.

Só que nem todo o mundo tem acesso a produtos de higiene bucal. Por isso, a substância começou a ser colocada nas águas de abastecimento das grandes cidades. O método fez cair casos de cáries em 65%, segundo a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

O flúor é um mineral encontrado na natureza e tem uma ação benéfica aos dentes. Funciona assim: quando bactérias que vivem na boca entram em contato com o açúcar que ingerimos, cria-se um processo de fermentação que corrói os dentes. O termo técnico, na verdade, é desmineralização.

“O flúor estimula a remineralização. Ou seja, ele interrompe o processo de perda estrutural dos dentes”, esclarece o cirurgião-dentista Marco Antonio Manfredini, do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP). Tanto que dentistas aplicam flúor no consultório em lesões iniciais de cárie para impedir que ela se agrave.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Cetoprofeno: o que é, para que serve e como funciona esse remédio

Desde os anos 1950, quando a medida foi adotada no Brasil, os dentes da população só melhoraram. Há um estudo, o SB Brasil – Pesquisa Nacional de Saúde Bucal, que faz essa avaliação a cada dez anos. Tomando como medida as crianças de 12 anos, é possível ver a mudança de diagnóstico.

“Em 1986, essa faixa etária tinha uma média de sete dentes cariados na boca. O levantamento mais recente, de 2010, chegou a uma média de duas cáries”, pontua Manfredini.

Continua após a publicidade

O método é recomendado, ainda, pela Organização Mundial de Saúde (OMS). “Outro órgão, o CDC dos Estados Unidos, listou as dez medidas mais importantes para a saúde pública, e a fluoretação das águas foi uma delas”, lembra o odontologista.

Movimentos anti-flúor

Apesar desses dados, existem grupos originados nos Estados Unidos que tentam condenar o flúor. E as justificativas são variadas. Há quem afirme que a substância seria poluente e até quem diga que ela faria cair o QI (quociente de inteligência) de crianças. Essas alegações são falsas.

Compartilhe essa matéria via:

O flúor é utilizado há, pelo menos, 70 anos pelo mundo. Os resultados para a saúde bucal das populações já estão consolidados e a segurança também foi atestada. “Cortar esse benefício é penalizar os grupos mais vulneráveis, que não têm condições econômicas de visitar regularmente o dentista, nem de comprar escovas e cremes dentais. A presença do flúor na água garante a prevenção de cáries nessas pessoas”, defende Manfredini.

O que acontece: qualquer substância consumida em exagero pode ser prejudicial à saúde – daí porque se monitora os índices de flúor nas águas periodicamente. Em excesso, ele promove a fluorose dentária. São pequenas manchas nos dentes que não impactam sua integridade, nem causam dor. Há vários graus do quadro: alguns são praticamente imperceptíveis, enquanto outros prejudicam a estética.

“Esse problema ocorre com mais frequência em crianças menores de 6 anos”, explica o cirurgião-dentista. Para evitar isso, esse público precisa escovar o dente com o creme dental adequado, na quantidade ideal. “Só um grãozinho de feijão colocado na transversal da escova já da conta do recado”, calcula Manfredini.

Continua após a publicidade

Hipoteticamente, o consumo exagerado de flúor também afetaria os órgãos gastrointestinais. Mas aí a ingestão deveria ser absolutamente elevada. “E a intoxicação ocorreria em longo prazo”, esclarece Angela Raimondi, professora de química da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Isso significa anos. Ou seja, caso a dose de flúor na água esteja um pouco acima do recomendado, as autoridades são capazes de mexer isso em tempo de evitar quaisquer danos.

Além disso, o corpo se defende desse excesso. “Apenas 10% do flúor é absorvido e vai para os órgãos, dentes e ossos. O restante é eliminado por fezes, urina e suor. Consumimos o flúor em sua forma iônica (fluoreto), que dissolve em água. Ao competir com outras substâncias mais revelantes do  organismo, ele perde e é eliminado”, afirma Angela.

Não há como o flúor afetar o cérebro ou outras capacidades do organismo. Isso é fake news.

Continua após a publicidade

Nem todo mundo tem flúor no Brasil

A preocupação dos especialistas por aqui é a falta de acesso à água fluoretada. Apesar de o custo do processo ser baixo (cerca de R$ 1 por habitante), nem toda cidade tem o serviço.

Um estudo que analisou dados de 2010 a 2015 aponta que, em média, apenas 60% dos brasileiros recebem a água com flúor em suas casas. Esse número está concentrado nas cidades com mais de 50 mil habitantes e nas regiões Sul (80,5%) e Sudeste (66,4%). O levantamento foi organizado pelos professores Paulo Frazão e Paulo Capel Narvai, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. No Nordeste (14,8%) e Norte (0%), há falta de fluoretação e também de vigilância desse serviço.

A conclusão: quem mais precisa da água fluoretada tem dificuldade de acesso a ela.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Três em cada dez amostras de água no estado de SP têm teor de flúor inadequado

O Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal (CECOL) oferece buscas no site e promete disponibilizar a situação da fluoretação da água em cada município.

Números

  • O padrão máximo de flúor permitido nas águas, seguindo portaria do Ministério da Saúde, é de 1,5 miligramas por litro
  • Mas a fluoretação não precisa chegar perto desse limite máximo para trazer benefícios. A Sabesp, companhia responsável pelo abastecimento de água em São Paulo, por exemplo, adota uma média entre 0,6 a 0,8 miligramas por cada litro.
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.