Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Cuide da sua boca

Por Blog
Profissionais do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo contam o que fazer para manter um sorriso bonito e saudável
Continua após publicidade

Chicletes, eles fazem bem aos dentes?

Especialista explica prós e contras da goma de mascar e conta quais são as versões vantajosas à saúde bucal

Por Dra. Karla Mayra Rezende, cirurgiã-dentista*
Atualizado em 25 dez 2018, 10h47 - Publicado em 25 dez 2018, 10h47

Vamos pensar um pouco sobre o hábito de mascar chiclete fazendo uma breve volta ao passado. O chiclete é produzido a partir da seiva ou látex de uma espécie de árvore chamada Sapota, o sapotizeiro. A origem do costume de mascá-lo tem diversas teorias. Alguns historiadores apontam que tudo começou no que é hoje a Guatemala, na América Central, enquanto outros dizem que foi com a civilização maia, no atual território do México. Também há indícios de que a gênese milenar remontaria à Grécia Antiga, onde o hábito teria se desenvolvido com o intuito de limpar os dentes e eliminar o mau hábito.

Chegando aos nossos dias, sabemos que o chiclete, desde que seja sem açúcar, pode ser vantajoso à higiene bucal. Ele estimula a salivação em até dez vezes, aumentando a lubrificação local e neutralizando os ácidos produzidos pelas bactérias que causam cárie. Dessa forma, promove uma limpeza mecânica na boca.

Nesse sentido, é importante observar no rótulo da goma de mascar se ela contém xilitol ou sorbitol. Na presença desses adoçantes, as bactérias não conseguem fazer a fermentação como acontece normalmente com o açúcar. Sorte dos dentes.

Alguns remédios para controle da pressão arterial e da depressão, por exemplo, podem causar o que chamamos de xerostomia, ou seja, boca seca. Nesses casos, o chiclete pode ser bem-vindo, uma vez que instiga a produção de saliva e umedece a cavidade bucal, o que é importante para manter a saúde dos dentes e da gengiva. 

Quando o chiclete não cai bem

Pessoas com problemas na articulação temporomandibular (ATM), aquela responsável pelo abrir e fechar da boca, devem ter cautela no consumo das gomas. É que o mastigar excessivo pode causar um desequilíbrio muscular, resultando em dores crônicas de cabeça, ouvido e na própria região da boca.

Indivíduos com problemas gástricos também devem evitar ou fazer uso moderado dos chicletes. Isso porque toda vez que o mascamos, o corpo entende que vai receber algum alimento e, com isso, prepara enzimas e ácidos para atuar na digestão.

Mas, como não há alimento – só uma goma na boca –, existe a possibilidade de uma superprodução de ácido no estômago, o que compromete a sua capacidade de produzir secreções digestivas quando o sujeito realmente ingerir comida. Tudo isso pode acabar em sensação de empachamento, azia etc. 

Outros efeitos gastrointestinais adversos, como inchaço e até mesmo diarreia, podem surgir em alguns desafortunados. O desarranjo intestinal tende a ser motivado pelos adoçantes artificiais, comumente encontrados nos chicletes sem açúcar.

Continua após a publicidade

Consumir o chiclete por muitas horas e com frequência também aumenta a probabilidade de desgaste dos dentes por conta do atrito constante. Dependendo da pressão exercida, podem surgir fraturas nas restaurações.

Ele não substitui a escova!

Independentemente dos prós e contras, e do fato de que o chiclete sem açúcar pode ser um aliado da salivação e da higiene bucal, é fundamental e unânime deixar claro que ele nunca substituirá uma boa escovação, com uso da pasta de dente fluoretada, e o fio dental. A goma de mascar só deve ser recomendada com essa finalidade esporadicamente, nos casos em que não é possível fazer a limpeza correta da boca.  

E, ainda assim, vale lembrar que o potencial benefício se aplica exclusivamente a chicletes sem açúcar. Aqueles com o ingrediente nunca trarão vantagens para a saúde bucal.

* Dra. Karla Mayra Rezende é cirurgiã-dentista e membro da Câmara Técnica de Odontopediatria do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.