Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Violência contra a mulher: a pandemia que não cessa

As denúncias de violência contra a mulher aumentaram com o confinamento da Covid-19. Como podemos continuar avançando na luta contra esse horror?

Por Telma Sobolh, idealizadora do Programa Einstein na Comunidade de Paraisópolis*
12 jul 2020, 11h20

A violência contra a mulher é uma questão global e um problema de saúde pública que atinge todas as classes sociais e diferentes níveis de formação cultural, educacional, religiosa, profissional, entre outras.

Em 2006, entrou em vigor no Brasil a Lei Maria da Penha, que criou mecanismos de proteção e defesa para coibir o problema, inclusive com normas estipulando as diversas formas de violência — física, sexual, patrimonial, moral e psicológica.

A lei obrigou o governo a oferecer uma rede de serviços de atendimento e proteção, algo fundamental para que muitas mulheres pudessem interromper o ciclo de agressão a que estavam submetidas. Não eram poucas que sequer percebiam que aquela brutalidade diária representava um crime.

Antes da Lei Maria da Penha, a violência contra a mulher era tratada como um crime de menor potencial ofensivo, ou seja, a punição se limitava a trabalhos comunitários e pagamento de cestas básicas. Não havia dispositivo legal para penalizar os agressores com mais rigidez. Com a entrada em vigor da lei em 21 de setembro de 2006, essa realidade mudou e, além de fazer a sociedade encarar a violência contra o gênero feminino como crime, ela deixou de ser apenas uma questão familiar e se tornou também uma responsabilidade do Estado.

O problema sempre existiu ao redor do mundo e ganhou destaque nos últimos anos com a evolução do papel da mulher no ambiente social, político e profissional, a consolidação do movimento feminista e a luta pela promoção da igualdade de direitos. A mulher tem deixado de fazer parte das “minorias” — e hoje somos mais da metade da população brasileira — e vem adquirindo espaços que sempre lhe foram de direito.

Continua após a publicidade

Não só as mulheres, mas as pessoas em geral estão cada vez mais conscientes e engajadas na batalha contra a violência de gênero. Até porque a situação é comparável a uma pandemia. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), sete em cada dez mulheres no planeta foram ou serão violentadas em algum momento da vida.

Em meio à crise do novo coronavírus, a quarentena tem sido a medida mais segura para amenizar o contágio e a propagação do vírus. Com mais homens e mulheres dentro de casa, porém, o número de agressões aumentou nos últimos meses. Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a quantidade de denúncias de violência contra as mulheres recebidas no canal 180 cresceu quase 40% ao compararmos o mês de abril de 2020 e 2019.

A ideia de que nossa casa é um local seguro e acolhedor não é uma realidade para todas as mulheres brasileiras. Muitas delas dividem o espaço com seu agressor e vivem anos em clima de tensão e medo. É um drama que se acentua nas comunidades e na periferia, uma vez que as dificuldades econômicas e sociais agravam a situação das vítimas. A vulnerabilidade eleva o nível de insegurança dessas mulheres e faz com que sofram caladas na maioria das vezes.

Como podemos virar o jogo?

Além das iniciativas governamentais contra a violência da mulher, uma das formas de enfrentar o problema e contribuir com a luta pela liberdade e pela promoção da igualdade de gênero é a qualificação profissional, inclusive por meio de cursos de capacitação gratuitos. Um exemplo de ação bem-sucedida são os cursos oferecidos às mulheres na comunidade de Paraisópolis, na cidade de São Paulo.

Além de oferecer profissionalização, a iniciativa promove oficinas sobre os direitos das mulheres e as possibilidades de geração de renda, entre outras ações que fomentam a autonomia feminina.

Continua após a publicidade

O trabalho educativo com crianças e adolescentes sobre sexualidade e gênero desenvolvido nas escolas em parceria com projetos sociais também é uma estratégia fundamental para a construção da igualdade de gênero. Quando meninos e meninas se descobrem diferentes, mas com direitos iguais, ajudam a construir uma sociedade menos violenta e mais justa para as mulheres.

Outra forma de combater os abusos se dá abrindo conversas com os homens sobre a questão da masculinidade e da igualdade de gêneros, bem como criando espaços de acolhimento psicológico e de convívio para estimular o debate e a troca de experiências entre as mulheres. Trabalhando esses pilares, projetos como os de Paraisópolis avançam na proposta de transformação social, geração de conhecimento e recursos, conscientização dos direitos e luta contra a violência.

A dura conclusão é que, apesar da evolução e das conquistas no decorrer dos anos, ainda temos uma enorme batalha pela frente. Precisamos nos unir e cooperar com essas iniciativas voltadas para acabar com as agressões e proteger as mulheres. Essa é uma luta de todos! A transformação da sociedade começa quando cada um de nós se conscientiza e começa a agir para um mundo melhor.

* Telma Sobolh é pedagoga, presidente do Voluntariado Einstein e idealizadora do Programa Einstein na Comunidade de Paraisópolis, em São Paulo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.