Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Vacinas brasileiras são destaque em uma das maiores premiações do país

Imunizante desenvolvido contra dengue no Butantan venceu o Prêmio Péter Murányi 2023. Presidente do júri explica o impacto desse e dos outros finalistas

Por Vera Murányi Kiss, presidente da Fundação Péter Murànyi*
13 mar 2023, 11h05

A vacina tetravalente contra dengue criada e estudada pelo Instituto Butantan, em São Paulo, foi a grande vencedora da 21ª edição do Prêmio Péter Murányi.

O trabalho, coordenado pela bióloga Neuza Frazatti Gallina, é uma conquista para a história da saúde pública no país.

E não apenas para os cientistas envolvidos no projeto, mas também para a população, que poderá contar com uma vacina capaz de prevenir uma doença que afeta milhões de pessoas pelo mundo.

Sabemos que a dengue é um problema endêmico no Brasil e tem se tornado cada vez mais prevalente em países tropicais. Pode provocar complicações graves e até fatais.

Continua após a publicidade

A nova vacina, em fase final de estudos, impactará não somente a proteção dos cidadãos e a saúde pública. Terá reflexos sociais e econômicos, uma vez que ajudará a evitar fatalidades da versão hemorrágica da doença, hospitalizações e faltas ao trabalho.

+ LEIA TAMBÉM: Novas vacinas contra a dengue estão chegando 

A Butantan-DV, o imunizante do instituto paulista, envolveu uma complexa metodologia de pesquisa que incluiu desde a identificação dos quatro tipos de vírus da dengue circulantes no país até a testagem da vacina em larga escala, num processo que enfrentou diversos desafios.

Continua após a publicidade

É motivo de orgulho saber que essa vacina brasileira já foi patenteada em 11 países, a começar pelos Estados Unidos, e iniciou o processo de patente em 20 outros. A expectativa é que os estudos clínicos sejam concluídos em 2024.

Laboratório do Butantan onde se pesquisa a nova vacina da dengue.
Laboratório do Butantan onde se pesquisa a nova vacina da dengue. (Foto: Renato Augusto Gasparoto Rodrigues/ Butantan/Divulgação)

A reunião do Júri da Fundação Péter Murányi, no último dia 2 de março, representa um momento muito importante porque, a cada ano, dá a exata medida da grandeza da pesquisa brasileira. Em 2023, na edição voltada à saúde, contamos com 138 trabalhos submetidos.

Continua após a publicidade

Nossa Comissão Técnica e Científica, formada por grandes professores e pesquisadores, seleciona e apresenta aos jurados três trabalhos finalistas, que são avaliados para chegarmos à definição do primeiro lugar.

Neste ano, tivemos uma votação particularmente difícil, pois os outros dois trabalhos que concorreram com o do Butantan eram igualmente impactantes.

Foram eles: “Vigilância digital como ferramenta inovadora para o enfrentamento da atual e de futura pandemias: da avaliação de eficácia vacinal à previsão de novas emergências”, de autoria de Manoel Barral Netto e equipe (2º colocado) e “Soberania tecnológica no desenvolvimento de vacinas humanas no Brasil”, de Ricardo Tostes Gazzinelli e equipe (3º lugar), ambos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e parceiros.

Continua após a publicidade

Para nós, da Fundação Péter Murányi, é gratificante premiar trabalhos que se traduzem em produtos ou serviços inovadores que melhoram, com aplicação prática, a qualidade de vida de muitas pessoas.

E isto só é possível com a participação das entidades apoiadoras: ABC, ACIESP, ANPEI, CAPES, CIEE, CNPq, FAPESP e SBPC, que também divulgam o prêmio. Só assim atingimos o grande universo de mulheres e homens dedicados a fazer a diferença na ciência, na tecnologia e na saúde pública.

A presidente da fundação e do júri responsável pelo prêmio.
A presidente da fundação e do júri responsável pelo prêmio. (Foto: Acervo pessoal/Divulgação)

O Prêmio Péter Murányi tem quatro áreas de atuação, que se intercalam ano a ano: Saúde, Ciência & Tecnologia, Alimentação e Educação. O objetivo da fundação é reconhecer profissionais e instituições com trabalhos robustos nesses domínios, e a visibilidade e a transparência no processo são vitais para tanto.

Num país tão rico e tão diversificado, onde problemas e soluções atingem dimensões continentais e envolvem realidades distintas, tenho satisfação em ver que os trabalhos premiados envolvem duas novas vacinas (dengue e Covid) para combater doenças preocupantes e uma ferramenta capaz de tornar a resposta e a gestão da saúde pública mais eficientes.

São exemplos concretos de como a ciência nacional responde prontamente aos desafios atuais.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

* Vera Murányi Kiss é presidente da Fundação Péter Murànyi

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.