Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Por que precisamos falar de TDAH na vida adulta?

Na semana de conscientização sobre o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, especialista explica que o problema não se restringe à infância

Por Edyleine Bellini Peroni Benczik, neuropsicóloga* 5 ago 2022, 09h54

Até meados dos anos 1990, o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) era considerado um distúrbio exclusivamente infantil. Foi a partir dessa época que informações sobre a condição na vida adulta, antes restritas ao ambiente acadêmico e científico, começaram a ser difundidas para a sociedade. Porém, só em 2013 o aspecto vitalício do transtorno se tornou oficial. Em outras palavras, TDHA também afeta adultos.

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é classificado pela Associação Americana de Psiquiatria como um problema do neurodesenvolvimento, geralmente com início na infância e de curso crônico. Permanece na vida adulta em até 5% dos casos, segundo as pesquisas.

As manifestações comportamentais visíveis costumam se dar por um padrão persistente de desatenção e/ou de hiperatividade e impulsividade, causando prejuízos significativos no decorrer da vida em graus variados.

+ LEIA TAMBÉM: Como o TDAH pode se manifestar ao longo da vida

Na vida adulta, os sintomas se apresentam por conversas excessivas, inquietação interna e estado de hiperexcitação. As pessoas não conseguem relaxar ou estão sempre tensas, têm dificuldade para dormir e podem tentar compensar isso tudo usando álcool, drogas ou remédios sem orientação médica.

A impulsividade é percebida nas ações sem reflexão anterior, como gastar muito ou rápido demais, renunciar a empregos de forma prematura, se arriscar no trânsito e no sexo. Há distrações e atrasos frequentes, dificuldade de se organizar e cumprir prazos, procrastinações e problemas para dar sequência a tarefas, como a leitura de um livro.

Continua após a publicidade

É fundamental contar com um diagnóstico clínico preciso para lidar adequadamente com esses comportamentos. TDAH tem tratamento! A terapia cognitivo-comportamental ajuda o indivíduo a desenvolver estratégias para minimizar suas limitações e desenvolver o autocontrole e a autoestima.

A medicação, por sua vez, atua especialmente sobre os sintomas do transtorno. Ter bons hábitos de sono, fazer exercícios físicos regulares e manter uma alimentação equilibrada também são importantes para criar uma rotina saudável e o bem-estar em geral.

O diagnóstico de TDAH, embora possa vir acompanhado de estigmas, é libertador, pois promove conscientização e maior qualidade de vida pessoal, familiar e profissional. Reconhecer que há algo errado e buscar ajuda é, sem dúvida, o melhor caminho a seguir. O TDAH é coisa séria e precisamos falar dele também na vida adulta!

Compartilhe essa matéria via:

* Edyleine Bellini Peroni Benczik é psicóloga e neuropsicóloga, doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP e autora do Manual da Escala para o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (Vetor Editora) 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês