Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Por que lutar pelo diabetes e a obesidade diante do governo brasileiro

Coordenadora de novo movimento social em prol de quem convive com essas condições explica os esforços e desafios para melhorar a assistência no país

Por Vanessa Pirolo, coordenadora do projeto Vozes do Advocacy* 11 abr 2022, 13h13

Lutar é uma tradição brasileira que vem desde a época em que o país era colônia. Tivemos vários movimentos sociais que, desde então, trouxeram aprendizado, conhecimento e, na maioria das vezes, desenvolvimento para nossa sociedade.

Na área da saúde, os movimentos sociais aprimoraram o acesso ao tratamento adequado de inúmeras doenças. Mas a luta continua…

No caso do diabetes, a incorporação de medicamentos e a atualização dos protocolos e conteúdos dos programas de educação voltados a profissionais de saúde, gestores e pessoas com a condição estão prontos para sair desde o ano passado, mas até agora não foram disponibilizados.

Apesar da legitimidade da causa e do reconhecimento das associações de pacientes e sociedades médicas junto ao Ministério da Saúde, o governo se encontra totalmente estagnado.

Em 2021, foram feitas diversas reuniões com o Ministério da Saúde para que a insulina análoga de ação rápida, vinculada ao departamento dos produtos e recursos especializados, fosse transferida para a rede de atenção básica. Passou-se um ano e nada aconteceu.

Em março de 2019, por sua vez, foi incorporada a insulina análoga de ação prolongada no SUS. Em tese, ela deveria estar disponível aos pacientes em 180 dias. Passaram-se três anos e a medicação não chegou à população com diabetes tipo 1.

+ LEIA TAMBÉM: Os avanços em 100 anos de insulina

Com a pandemia, o instituto Ipsos realizou uma pesquisa em 30 países envolvendo mais de 22 mil adultos. Uma das constatações: um em cada dois brasileiros engordou no período; o ganho de peso foi, em média, de 6 quilos.

Ainda assim, o Ministério da Saúde ainda não reconhece a obesidade como doença, recomendando apenas dieta, exercícios e adoção de chás e terapias não convencionais para o tratamento no SUS.

Até o momento, apesar dos avanços farmacológicos recentes, não disponibiliza nenhum tipo de medicamento para ajudar a população acima do peso a tratar-se de forma adequada.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Novos rumos para a perda de peso

Com relação às vacinas, o governo cortou as campanhas de imunização em 2019. Como resultado, a adesão da população caiu drasticamente. Agora voltam a aparecer casos de poliomielite pelo país.

Muitos gestores públicos e profissionais de saúde, assim como as pessoas que convivem com a condição, desconhecem que há um calendário de vacinação específico para quem tem diabetes.

Recentemente, o senador Jader Barbalho (PA) colocou em debate uma proposta de fiscalização e controle a fim de apurar, com o auxílio do Tribunal de Contas da União (TCU), a diminuição dos investimentos federais na cobertura vacinal, seguindo o Programa Nacional de Imunização (PNI).

Compartilhe essa matéria via:

Por todas essas questões e outras tantas, formamos a Coalizão Vozes do Advocacy em Diabetes e em Obesidade, iniciativa que integra 24 organizações de pacientes e tem o apoio de sociedades médicas. O projeto tem o intuito de dar voz a todos os seus membros e viabilizar a conquista por um tratamento mais adequado para a obesidade e o diabetes no Brasil (tanto nas esferas municipal e estadual como federal).

Nosso movimento une agentes transformadores no engajamento da sociedade, em um esforço que impacta positivamente a qualidade de vida dos brasileiros. Queremos fazer diferença na vida de milhões de anônimos com diabetes, obesidade e as complicações associadas.

Afinal, a luta, o conhecimento e o acesso à evolução da medicina permitirão que mais brasileiros consigam receber tratamentos melhores e possam se engajar por mais qualidade de vida.

* Vanessa Pirolo é jornalista, coordenadora do Projeto Coalizão Vozes do Advocacy em Diabetes e em Obesidade e coautora do livro Doenças Crônicas – Saiba como Prevenir

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)