Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Futuro do Diabetes Por Blog Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), além de autor do livro O Futuro do Diabete (Ed. Abril). Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do problema

Medicamento injetável ganha versão oral no tratamento do diabetes tipo 2

Trata-se da semaglutida, que traz excelentes resultados contra a doença. Nosso colunista fala das vantagens de tê-la também no formato de comprimido

Por Carlos Eduardo Barra Couri Atualizado em 25 mar 2022, 19h16 - Publicado em 23 mar 2022, 17h04

Uma classe de medicamentos injetáveis ganhou destaque no tratamento do diabetes tipo 2 nos últimos anos. Estamos falando de injeções subcutâneas que simulam a ação de um hormônio, o GLP-1.

Trata-se de uma molécula naturalmente produzida pelo intestino quando acontece a passagem dos alimentos. O GLP-1 tem várias ações e, entre elas, podemos destacar:

• Redução do apetite e aumento da sensação de saciedade;
• Regulação da liberação de insulina e glucagon (responsáveis pela modulação dos níveis de glicose) no pâncreas;
• Redução dos movimentos do estômago

Tudo isso, em conjunto, faz com que essa nova classe de remédios traga excelentes resultados no controle do diabetes e na diminuição do peso corporal (às custas especialmente de gordura), dos triglicérides, da gordura no fígado e da pressão arterial.

Compartilhe essa matéria via:

Em última análise, a somatória dos efeitos se traduz em benefícios cardíacos e renais – protegendo o sujeito das complicações mais tremidas do diabetes.

Esses medicamentos que simulam o GLP-1 inicialmente eram injetados por via subcutânea (ou seja, por baixo da pele) duas vezes ao dia. Depois, a dose passou para uma vez ao dia e, hoje, é utilizado uma vez por semana.

Continua após a publicidade

As aplicações são feitas por dispositivos bastante confortáveis, que envolvem muita tecnologia, com agulhas pequenas e que quase não geram incômodo. Para ter ideia, esses aparelhos são semelhantes aos usados para a aplicação de insulina em crianças pequenas e bebês.

A boa notícia é que, em abril de 2022, teremos mais uma opção para oferecer a pessoas com diabetes tipo 2 de todo o Brasil: a versão em comprimido.

O remédio deve ser ingerido diariamente, em jejum, com cerca de 120 ml de água, pelo menos meia hora antes do café da manhã. Muita tecnologia foi empregada para fazer com que o comprimido se ancore na parede do estômago e permita que ali ocorra, então, a absorção do agente ativo – a semaglutida.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Mas qual a melhor opção?

Aí vai de cada um! Vivemos um momento dramático no tratamento de doenças crônicas, em que o engajamento – ou melhor, a falta dele – é um dos maiores inimigos do sucesso terapêutico.

Há um ditado antigo na medicina que diz que o melhor remédio é aquele que a pessoa realmente usa. Há quem ache mais simples o uso semanal injetável. Outros preferem evitar as picadas (mesmo que indolores) e tomar o comprimido diariamente em jejum.

O importante, no fim das contas, é termos opções e, em parceria com o indivíduo que tem diabetes tipo 2, determinar qual a melhor escolha de acordo com o seu perfil.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês