Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Políticas públicas para um envelhecimento com mais qualidade

Assistência à população idosa também deve contemplar detecção e tratamento de doenças oftalmológicas e oncológicas

Por Angela Sousa, presidente da Retina Brasil, e Renato Tavares, hematologista* 22 dez 2021, 10h43

Nunca se falou tanto em longevidade. Essa é uma grande conquista dos nossos tempos, mas que veio acompanhada de inúmeros desafios. Estamos vivendo mais, ao mesmo tempo em que as doenças do envelhecimento nunca foram tão prevalentes no Brasil e no restante do mundo.

Em nosso país, ainda temos jovens em abundância, ao mesmo tempo que ganhamos uma população idosa cada vez mais proeminente. Isso só reforça a necessidade de investimentos na promoção da saúde.

O conhecimento, o direito de participar das decisões em âmbito coletivo e a inclusão dos idosos são temas urgentes na agenda do envelhecimento saudável.

Para alcançarmos tal objetivo, um conjunto de fatores precisa ser levado em consideração. Investir na saúde de quem está envelhecendo, ou já envelheceu, é essencial para que o Brasil possa continuar a ser sustentável e produtivo em vários aspectos.

+ Leia também: Velhos, sim… Doentes, não! A nova cara e os desafios da velhice

Nesse contexto, além dos problemas de saúde mais frequentes, é preciso direcionar um olhar especial para doenças pouco debatidas e que fazem parte dos desafios do envelhecimento.

A mielofibrose é uma delas. Esse é um tipo raro de câncer no sangue que acomete principalmente pessoas após os 50 anos de idade. O diagnóstico é complexo e os sintomas podem ser confundidos com condições de menor gravidade, caso de fraqueza, fadiga, emagrecimento e perda do apetite.

O aumento do baço e do fígado, acompanhado de dor ou presença de um volume abaixo das costelas, também liga o sinal de alerta.

Dentro da gama de tratamentos, hoje se sabe que o transplante halogênico é o único capaz de curar a mielofibrose primária, porém, muitos pacientes acabam não sendo elegíveis por conta dos riscos ligados ao procedimento, além da dificuldade de encontrar doadores compatíveis.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

A boa notícia é que já existe um medicamento oral capaz de devolver qualidade de vida a esses pacientes. No entanto, ainda não está disponível no SUS, evidenciando as inequidades entre o sistema público e privado.

As diversas barreiras atuais para o diagnóstico e o tratamento da mielofibrose mostram que é urgente darmos mais atenção a essa doença, principalmente quando pensamos no SUS, sistema que atende mais de 75% da população.

Outro nicho que tem a ver com o envelhecimento e exige o olhar dos formuladores de políticas públicas é o das doenças da retina, tecido que fica no fundo dos olhos e é essencial para a captação das imagens.

No Brasil, temos cerca de 1,5 milhão de cegos, parte deles em função de problemas na retina. Um estudo recente publicado na plataforma Springer revela que os impactos da perda de produtividade ao longo da vida em pessoas com deficiência visual somam mais de 10 milhões de reais, o que afeta a sustentabilidade do sistema de saúde.

+ Leia também: Condomínio com suporte de hospital

O envelhecimento populacional, junto às mudanças no estilo de vida, vem aumentando consideravelmente o número de indivíduos com degeneração macular relacionada à idade, glaucoma e retinopatia diabética, que são consideradas causas importantes de deficiência visual severa e cegueira.

Por isso, além de estimular o diagnóstico e a adesão ao tratamento, se faz necessária uma mobilização social em torno das necessidades não atendidas de pacientes com doenças oftalmológicas, lembrando que a imensa maioria depende exclusivamente do SUS.

A atenção com a saúde ocular, assim como a detecção precoce e o tratamento do câncer, precisa estar contemplada nas políticas públicas para a população idosa.

Somente por meio da colaboração de diversos setores da sociedade poderemos garantir o bem-estar e a autonomia desse público, que tem o direito de viver plenamente essa fase da vida.

* Angela Sousa é presidente da Retina Brasil; Renato Tavares é médico hematologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês