Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Pessoas com obesidade deveriam ser prioridade na vacinação da Covid-19

Médico mostra como pessoas acima do peso estão mais suscetíveis a complicações do coronavírus, o que justificaria uma priorização no uso da vacina

Por Marcio Mancini, endocrinologista*
Atualizado em 23 dez 2020, 16h49 - Publicado em 23 dez 2020, 16h32

A obesidade não é uma escolha pessoal. Ela se desenvolve em quem manifesta uma suscetibilidade genética a ganhar peso com facilidade. Ao mesmo tempo, pessoas com excesso de gordura corporal são biologicamente suscetíveis a infecções virais mais graves. E com o coronavírus não é exceção. Daí porque eu digo: a obesidade deveria ser incluída entre as condições que garantem prioridade no acesso a vacinas para a Covid-19.

Na epidemia de influenza A subtipo H1N1 em 2009, foi documentado um aumento do risco de infecções graves em pacientes com obesidade. Para ter ideia, na Califórnia, 67% dos casos mais críticos apresentavam obesidade importante (com um IMC, ou índice de massa corpórea, maior do que 40 kg/m²).

Eis que, em março deste ano, a UK Intensive Care National Audit and Research Centre, no Reino Unido, anunciou que 72% dos indivíduos que desenvolveram complicações sérias ou fatais da Covid-19 tinham excesso de peso.

Isso claramente contrasta com os dados oficiais do Brasil. Em certo momento, o nosso Ministério da Saúde revelou que cerca de 6% dos pacientes internados apresentavam obesidade. Qual a explicação para essa discrepância? Muito simples: a subnotificação do diagnóstico de obesidade nos prontuários, nos resumos de alta e nos atestados de óbito. O médico elege as condições que julga mais relevantes: diabetes, problemas de coração, pressão alta etc. Obesidade só entra nas estatísticas em casos extremos.

Num estudo que envolveu 14 estados norte-americanos com milhares de participantes, 59% dos pacientes mais jovens internados apresentavam obesidade. Em outro levantamento, esse da Universidade de Nova Iorque, o risco de internação em uma UTI foi de 2 a 3,6 vezes maior em pacientes com obesidade.

O Hospital Universitário de Lille, na França, comparou a massa corporal dos pacientes internados em UTI por Covid-19 em 2020 com as internações por doenças respiratórias em 2019. O resultado mostrou que, em 2020, cerca de 80% dos indivíduos apresentavam excesso de peso e a necessidade de intubação e ventilação mecânica foi maior.

Continua após a publicidade

E por quê? São muitos motivos.

As pessoas com obesidade apresentam volumes pulmonares reduzidos. Muitas sofrem com apneia do sono, que reduz a oxigenação durante a noite enquanto dormem. O risco de tromboses, incluindo tromboembolismo pulmonar, é maior nesses indivíduos. E há mais doenças associadas que favorecem o agravamento do coronavírus (diabetes e hipertensão entre elas).

Além disso, o vírus precisa de um receptor presente na membrana das células para invadi-las. O tecido gorduroso tem esse receptor (chamado de ACE-2) em abundância (mais presente do que no próprio pulmão). Pressupõe-se que o tecido adiposo seria um importante reservatório de vírus.

Mais: existe uma inflamação crônica nas pessoas com obesidade. Ora, a gordura corporal produz substâncias, chamadas de citocinas, que podem promover inflamação e aumento da coagulação. Isso, somado à Covid-19, favorece o fenômeno de coagulação intravascular disseminada, ou “tempestade de citocinas”.

Nas pessoas com obesidade, uma substância produzida na gordura, a leptina, não funciona bem. E a leptina é importante para a imunidade. Os poucos que indivíduos que (por causas genéticas) não produzem leptina apresentam infecções repetidas, muitas de origem pulmonar.

Finalmente, estudos com influenza A subtipo H1N1 mostraram que pessoas com obesidade apresentam maior carga viral e uma depuração atrasada do vírus, o que significa que podem transmitir mais (e por mais tempo).

Existe um pensamento comum de que, para melhorar a imunidade, é importante comer bem. E, por vezes, isso é confundido com “comer muito”. Só que é o oposto: pessoas que apresentam obesidade e adotam uma alimentação menos calórica, provocando perda de peso, vêm benefícios na imunidade.

Neste momento de pandemia, não é hora de relaxar cuidados. Não se deve interromper tratamentos para o excesso de peso. E é por tudo isso que eu repito: pessoas com obesidade devem estar na lista prioritária de vacinação da Covid-19.

Marcio Mancini é endocrinologista, vice presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), chefe da Unidade de Obesidade do Hospital das Clínicas da FMUSP e autor-coordenador do Tratado de Obesidade (Editora GEN, 3.ª edição, 2021)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.