Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Pegar no sono rápido não é sinal de dormir bem

Quadros como a apneia do sono não dificultam o adormecer - mas ainda assim sabotam a qualidade das horas dormidas

Por Bruno Borges de Carvalho Barros, especialista em otorrinolaringologia*
24 mar 2024, 10h02

Normalmente quem se deita e logo cai no sono imagina que dorme super bem. Mas pode ser exatamente o contrário.

Embora adormecer rapidamente seja uma habilidade desejável para muitas pessoas, a qualidade do sono não é determinada apenas por isso. O sono é influenciado por vários fatores, incluindo:

  • A quantidade de horas em sono profundo
  • A regularidade do padrão do sono
  • A ausência de interrupções durante a noite

Quando uma pessoa prega os olhos rapidamente, pode ser sinal de que não está tendo muito sono REM – que é o sono reparador, e importante para a saúde como um todo. É o caso típico da pessoa que pega no sono em poucos minutos por ter dormido mal nas noites anteriores.

+Leia também: Insônia nunca mais: os caminhos para superar o problema

O ciclo do sono se repete várias vezes ao longo da noite, com períodos de sono REM aumentando em duração à medida que a noite avança. Já o sono não-REM é dividido em três estágios: N1 (sono leve), N2 (sono moderado) e N3 (sono profundo).

Interessante ressaltar que não são etapas sequenciais, ou seja, do sono N1, podemos pular diretamente para o N3. O ciclo completo, incluindo todas as fases, leva aproximadamente 90 a 110 minutos para se repetir.

Um padrão de sono saudável e equilibrado envolve a passagem por todas essas fases em uma noite. E até em pessoas que adormecem rapidamente, interrupções frequentes no sono durante a noite sabotam esse ciclo.

Continua após a publicidade

Isso pode resultar em uma sensação de cansaço, falta de energia, dificuldade de memorizar os compromissos, falha na concentração e fadiga extrema durante o dia.

Verdade que dormir rapidamente não é ruim também. Então, ao que prestar atenção para saber se o seu sono não está legal?

Alguns dos mais importantes sinais a serem observados são:

Continua após a publicidade
  • Presença de ronco
  • Respiração pela boca à noite (o travesseiro acorda bem babado e a boca fica seca)
  • Necessidade frequente de ir ao banheiro no período noturno
  • Acordar cansado ou indisposto
  • Passar longos períodos acordado à noite

Para melhorar a qualidade do sono, é importante manter uma rotina regular de sono, criar um ambiente propício para dormir, evitar estimulantes antes de ir para o quarto e gerenciar o estresse. Se alguém estiver enfrentando problemas consistentes de sono, pode ser útil consultar um profissional de saúde para avaliação e orientação adicionais.

A apneia do sono

Esse é um tema especialmente caro para mim – e relacionado ao assunto desta coluna, uma vez que pessoas com apneia não tem dificuldades para adormecer, e ainda assim apresentam um sono de má qualidade.

Para quem ronca ou respira pela boca à noite, é importante verificar se há apneia, um problema marcado por interrupções breves na respiração durante o sono. O quadro é confirmado pelo exame de polissonografia, que avalia, através de vários sensores, se há apneia e o grau da mesma.

Continua após a publicidade

Um dos tratamentos para isso é CPAP, uma máscara que joga ar sob pressão através do nariz e da boca e ajuda a evitar o ronco, pois impede a obstrução das vias aéreas. Outra possibilidade inclui cirurgias feitas por otorrinolaringologistas na região da garganta.

Ainda há a opção do aparelho intraoral (móvel), que mantém a mandíbula para a frente, ajudando a manter as vias respiratórias abertas. Já as famosas tiras nasais, que prometem ajudar a melhorar a passagem de ar, não apresentam benefícios para a apneia.

Algumas mudanças importante no estilo de vida podem também reduzir o ronco e apneia, como controlar o peso – que ajuda reduzir o excesso de tecido gorduroso na garganta – e não dormir de barriga para cima. Ah, e não abuse do álcool.

Continua após a publicidade

Quase 30% das pessoas que roncam têm apneia e não sabem. O problema é que ela aumenta o risco de infarto, AVC, hipertensão, diabetes e problemas de memória.

*Bruno Borges de Carvalho Barros é especialista em otorrinolaringologia pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e cirurgia cervico-facial. Mestre e fellow pela Universidade Federal de São Paulo

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.