Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Ozempic Babies: remédios para perda de peso influenciam na fertilidade?

Relatos de mulheres nas redes sociais sugerem uma relação entre o uso desses medicamentos e gravidez. Especialista discute se isso existe mesmo

Por Alfonso Massaguer, ginecologista*
23 Maio 2024, 10h28

Vários trabalhos científicos correlacionam a obesidade com a redução da fertilidade em mulheres e homens. O risco de infertilidade é 78% maior em mulheres em idade reprodutiva com obesidade, em comparação com aquelas com peso normal.

Os efeitos da obesidade na fertilidade feminina são diversos. Por exemplo: ela pode resultar em disfunção menstrual e anovulação (falta de ovulação). 

Isso porque o tecido adiposo (a gordura corporal) libera moléculas que promovem resistência à insulina e inflamação, afetando a evolução dos óvulos. Aí cai a chance de serem fertilizados por um espermatozoide e gerarem um bebê.

Além disso, a obesidade afeta a implantação do embrião e outras funções reprodutivas, levando a concepções atrasadas e taxas de aborto aumentadas.

Em homens, a obesidade reduz a quantidade e a qualidade dos espermatozoides – e pode até gerar ausência deles.

Continua após a publicidade

Além das dificuldades biológicas, a obesidade traz barreiras psicológicas e sociais. E o estresse também é associado à infertilidade.

Uma abordagem global, incluindo perda de peso e controle de doenças associadas (como diabetes, colesterol e ansiedade) pode melhorar significativamente as taxas de gravidez em pessoas com obesidade.

+Leia também: Por que o planejamento familiar deve envolver a preservação da fertilidade

Mas… os tratamentos para obesidade ajudam na fertilidade?

De maneira geral, intervenções focadas na perda de peso melhoram as chances de concepção. Assim, medicamentos como o Ozempic (agonista de GLP-1) poderiam aumentar a fertilidade, pois são poderosas armas no auxílio à perda de peso.

Continua após a publicidade

Em homens com obesidade, os agonistas de GLP-1 podem aumentar a fertilidade ao promover a perda de peso e a melhora do metabolismo do corpo como um todo. 

Estudos mostraram melhorias na contagem e motilidade dos espermatozoides, embora o impacto direto desses medicamentos nos hormônios reprodutivos masculinos ainda não esteja totalmente claro.

Nas mulheres, é importante destacar que a síndrome dos ovários policísticos é a principal causa de disfunções na ovulação, o que gera infertilidade. A genética é protagonista aqui, mas o quadro pode piorar com a obesidade. 

Assim, a primeira linha para tratamento dessas mulheres é a perda de peso, com ajustes na alimentação e prática de atividades físicas. Mas o surgimento dessa nova classe de medicamentos para perda de peso vem ajudando bastante.

Continua após a publicidade

Mulheres com síndrome dos ovários policísticos e infertilidade tiveram melhora do ciclo menstrual (com aumento e melhora da ovulação) e aumento da taxa de gravidez com a perda de peso e uso de agonistas de GLP-1, como o Ozempic.

Ou seja, essa medicação, ao promover o emagrecimento, pode ser uma aliada da fertilidade. Mas não dá para dizer ainda que, por si só, ela aumenta as chances de gravidez.

O uso desse remédio exige uma avaliação criteriosa, e não pode ser pautado por pressões sociais. Até porque ele não é isento de riscos…

Cuidados com o uso

Com base nas informações disponíveis, os agonistas de GLP-1 devem ser evitados durante a gravidez e a lactação devido aos possíveis riscos para o feto e o lactente. 

Continua após a publicidade

No entanto, o uso desses medicamentos em torno do período de concepção não parece aumentar o risco de malformações maiores no bebê. É crucial que os médicos avaliem cada caso individualmente e discutam os riscos e benefícios com pacientes que estão planejando engravidar.

Um estudo com dados de mais de 50 mil mulheres grávidas com diabetes tipo 2 não encontrou associação entre o uso de agonistas de GLP-1 no início da gestação e um aumento no risco de malformações graves nos bebês. 

Isso sugere uma segurança inicial desses medicamentos quando usados em torno do período de concepção, mas são necessários mais estudos para confirmar esses achados. O ideal é parar o uso assim que desconfiar de uma gravidez.

Foi para resolver dúvidas como essa e acalmar as pessoas que escrevi o livro A Espera (clique para comprar).  Ele explica os temas-chave da fertilidade, aconselha e conforta.

Continua após a publicidade

*Alfonso Massaguer é ginecologista e especialista em reprodução humana. É autor do livro A Espera

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.