Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Como é a cirurgia do hematoma subdural feita por Tony Ramos

Ator voltou a passar por procedimento em função de um sangramento intracraniano. Entenda o tratamento do hematoma subdural

Por Maurício Brum
21 Maio 2024, 08h22

O ator Tony Ramos, 75 anos, foi submetido a uma nova cirurgia para controlar um hematoma subdural no dia 19 de maio, pouco após ser internado para tratar o problema no Hospital Samaritano Botafogo, no Rio de Janeiro. Foi a segunda vez em uma semana que o artista precisou do procedimento diante de um sangramento intracraniano.

Segundo o informe divulgado pelo hospital, Tony Ramos vinha apresentando boa recuperação após a primeira cirurgia, mas precisou fazer outra operação depois que apresentou “distúrbios de coagulação que resultaram na formação de novos hematomas intracranianos”. O boletim de saúde informa que o ator estava acordado e respirava sem o auxílio de aparelhos após a nova intervenção.

+Leia também: O que é hematoma subdural, causa da morte do criador de ‘Dragon Ball’

O que é um hematoma subdural

Esse problema ocorre em função de um acúmulo de sangue entre o cérebro e o crânio, quase sempre causado por pancadas na cabeça. O hematoma pode ser agudo, quando se desenvolve rapidamente, ou crônico, quando pode levar semanas ou meses para apresentar sintomas.

Continua após a publicidade

Essa situação é particularmente comum em idosos, já que a queda da própria altura costuma ser um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de um sangramento interno.

O quadro é de difícil prevenção pois geralmente é consequência de batidas acidentais, que nem sempre parecem graves. Por isso, o ideal é buscar o diagnóstico de um médico neurologista tão logo haja uma dor persistente na cabeça ou sintomas que afetem a coordenação motora e a cognição.

Como é a cirurgia para o hematoma subdural

O hematoma subdural é tratado com a drenagem do sangramento, um procedimento ao qual Tony Ramos também foi submetido. Há duas maneiras principais de abordar o problema: a drenagem pode ser “simples”, feita por punção, ou envolver a realização de uma craniotomia, quando uma parte do osso do crânio é removida, o que também ajuda a aliviar a pressão interna.

Continua após a publicidade

O procedimento mais indicado varia conforme a severidade do caso, que pode se prolongar caso haja distúrbios de coagulação durante o pós-operatório, como ocorreu com Tony Ramos.

É importante notar que hematomas subdurais não necessariamente exigem drenagem, já que alguns casos mais leves podem ser sanados pelo próprio corpo. No entanto, a avaliação dos riscos e o monitoramento do quadro deve ser sempre feita pela equipe médica, já que o sangramento pode apresentar complicações fatais.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.