Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O papel da vitamina D na pandemia da Covid-19

Médico explica em que medida essa vitamina, alvo de muitas discussões nos últimos meses, pode ajudar no controle da infecção pelo coronavírus

Por Durval Ribas Filho, nutrólogo*
Atualizado em 16 mar 2023, 16h49 - Publicado em 11 Maio 2021, 09h42

Na corrida por tratamentos e medidas para frear a disseminação do coronavírus, o papel da vitamina D na imunidade nunca esteve tão em pauta. Porém, não é de hoje que cientistas e médicos vêm buscando entender a eficácia desse pró-hormônio no combate a infecções.

Estudos internacionais desenvolvidos nas últimas décadas já associavam os surtos sazonais de gripe a uma possível deficiência de vitamina D, que ocorre durante os meses de inverno, especialmente nos países de clima temperado. Nesses locais, as epidemias de influenza aparecem durante os períodos frios e praticamente desaparecem no verão.

Estamos falando de um pró-hormônio que, entre suas diversas funções no corpo, auxilia na absorção de cálcio e tem importante papel na função muscular, ou seja, atua como uma substância multifuncional, já que diversas células e tecidos possuem receptores para ela. A deficiência da vitamina está ligada a uma série de doenças, como as autoimunes, a osteoporose e as infecções do trato respiratório.

Diante desse histórico científico, desde o início da pandemia de Covid-19, há um ano, pesquisadores de diversos países têm buscado entender o papel da vitamina D na prevenção ou no tratamento da nova doença.

Resumidamente, quando o indivíduo apresenta baixos níveis de vitamina D, notamos um aumento no nível de moléculas que causam inflamação no organismo. São as chamadas citocinas, cujo excesso está associado a danos nos pulmões e ao agravamento do quadro de Covid-19, provocando insuficiência respiratória e até mesmo óbito.

Continua após a publicidade

A principal causa de morte por infecção pelo coronavírus tem sido a síndrome da deficiência respiratória grave, decorrente da liberação de citocinas inflamatórias em grande quantidade, a tempestade de citocinas. É por esse motivo que a vitamina D tem sido tão investigada nos últimos meses. De fato, um estudo da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, constatou que pessoas com deficiência do pró-hormônio tendem a ter sintomas graves da infecção.

Considerando a literatura científica, chegamos à seguinte conclusão: a vitamina D contribui para o sistema imune funcionar bem e é de pressupor que níveis adequados ajudem o organismo num momento crítico.

Apesar de variável, sabemos que cerca de 60 a 70% da população brasileira entre 18 e 50 anos sofre com déficit de vitamina D. Durante o isolamento social, período no qual as pessoas se privam ainda mais da exposição solar, essa carência tem tudo para aumentar.

Continua após a publicidade

Sendo assim, junto com as medidas gerais de prevenção, é essencial que a população garanta níveis adequados de vitamina D, sobretudo aqueles já infectados, além de profissionais de saúde, idosos, pessoas que vivem em residências assistenciais e todos os que, por várias razões, não se expõem à luz do sol.

Nesses casos, a suplementação pode ser uma aliada. A Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) recomenda, em seu posicionamento sobre micronutrientes e probióticos na infecção por Covid-19, que a reposição via oral em doses seguras e suficientes fazem sentido, desde que prescritas por um especialista.

No caso dos idosos, tendo em mente que metade deles sofre com deficiência grave e praticamente 80% estão abaixo das concentrações desejáveis, a suplementação costuma ter um papel ainda mais relevante. Os benefícios à saúde óssea e muscular são bastante conhecidos, mas, no novo normal, devemos considerar também o aspecto da imunidade, uma vez que idosos fazem parte do grupo de maior risco para a infecção. No momento, um estudo do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, avalia justamente o impacto do nível de vitamina D em pacientes idosos internados com Covid-19.

Por último, vale reforçar que, muito além do papel e da reposição da vitamina, todos devem fazer sua parte, ainda mais com a vacinação em estágio inicial no país. Vamos continuar tomando os cuidados necessários, com distanciamento social, higienização das mãos e uso de máscaras para evitar a transmissão do vírus.

Continua após a publicidade

* Durval Ribas Filho é presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.