Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Não dá para esquecer a saúde mental de quem vai fazer bariátrica

Especialista explica a importância do cuidado psicológico antes e depois do tratamento cirúrgico da obesidade

Por Priscila Borrello, psicóloga*
10 fev 2022, 11h03

Desde os anos 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) vem nos alertando sobre o aumento da obesidade no planeta. Atualmente, são mais de 300 milhões de pessoas que padecem do estigma e das consequências físicas e psicológicas causadas pelo excesso de peso.

Nos casos em que a obesidade é clinicamente grave ou que tem provocado outros problemas de saúde (diabetes, hipertensão…), a cirurgia bariátrica desponta como um recurso que tem sido cada vez mais utilizado. O número de procedimentos no Brasil está em ascensão, e já somos a terceira nação que mais faz bariátricas no mundo, com quase 90 mil operações por ano (ficamos atrás apenas dos Estados Unidos e do Canadá).

A cirurgia se torna uma opção terapêutica quando outros tratamentos prévios − reeducação alimentar, plano de exercícios físicos, psicoterapia e medicamentos − não apresentam resultados satisfatórios. Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA consideram o procedimento, quando bem indicado, o tratamento de maior eficácia para a obesidade grave.

O que ainda pouco se fala é que o paciente que será submetido à cirurgia precisará também de um apoio multidisciplinar para se adaptar às mudanças no corpo e no estilo de vida. E um dos pontos centrais aqui é o trabalho com a sua saúde mental.

Lidar com o estado psicológico, que também pode ser afetado pelas restrições à mesa, é importante não só para atingir as metas estabelecidas e entender os percalços no trajeto, como para evitar o reganho de peso depois − hoje há pessoas tendo que repetir a bariátrica.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Precisamos deixar claro que há vários fatores por trás da obesidade, e nem sempre ela é fruto apenas do estilo de vida. Há condições sociais, genéticas e psicológicas associadas ao ganho de peso e, da mesma forma que a origem do problema é multifatorial, o tratamento deve intervir em várias frentes.

O trabalho multidisciplinar realizado entre o cirurgião, o nutricionista e o psicólogo é recomendado desde 2016 pelas autoridades de excelência clínica, mas na prática nem sempre acontece. Nossa orientação é que o paciente comece a ser acompanhado por essa equipe muito antes do procedimento cirúrgico.

+ Leia também: Como o bem-estar mental influi na cirurgia bariátrica (e vice-versa)

Continua após a publicidade

As mudanças de hábito, na realidade, devem se iniciar antes das mudanças corporais e, mesmo após ter conseguido os resultados esperados na redução do peso, cuidados físicos e mentais precisam permanecer pela vida toda.

É com esse suporte e esse outro olhar para o tratamento cirúrgico da obesidade que o paciente poderá não só se adaptar à sua nova rotina como arrecadar mais qualidade de vida.

* Priscila Borrello é psicóloga e mestre em Psicologia da Saúde pela Universidade Europeia do Atlântico, na Espanha

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.