Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Humanizando o cuidado no câncer gástrico: o paciente no centro

O diálogo aberto com o médico é importante para otimizar o tratamento e reduzir seus impactos no cotidiano

Por Dr. Diogo Bugano, oncologista*
19 out 2023, 13h48

Quando pensamos sobre uma determinada pessoa, consideramos suas preferências, prioridades, necessidades e valores pessoais; ou seja, as características intrínsecas que tornam a cada um de nós seres únicos.

Essa individualidade também deve ser respeitada quando ficamos doentes. Quando o médico tem empatia com os desafios do paciente, o tratamento se torna mais eficiente.

O cuidado humanizado, que prioriza necessidades individuais, é muito importante no contexto do diagnóstico das doenças oncológicas, um momento tão sensível.

Um exemplo é o câncer gástrico, também conhecido como câncer de estômago, que tende a ser descoberto em estágios avançados, porque não apresenta sintomas específicos. Quando algum sinal surge, muitas vezes é confundido com gastrites e úlceras, o que dificulta a detecção e atrasa o início do tratamento.

Continua após a publicidade

No Brasil, ele ocupa a quinta posição entre os tumores mais frequentes, sendo pouco mais incidente entre homens e com destaque para as regiões Sul e Norte do país.

Dentre os fatores de risco, destacam-se a obesidade, o consumo de álcool, o excesso de consumo de sal na forma de embutidos e alimentos em conserva, o tabagismo, a infecção pela bactéria Helicobacter pylori e ter parentes de primeiro grau que já desenvolveram o câncer gástrico em algum momento da vida.

Como os sintomas são inespecíficos — queimação, refluxo ou sensação de empachamento — a possibilidade de câncer de estômago deve ser considerada caso um paciente receba tratamentos habituais para estes sintomas e não tenha melhora. Os exames realizados para diagnóstico diferencial incluem a endoscopia e a biópsia.

Continua após a publicidade

Depois do diagnóstico

Após a confirmação do câncer, o primeiro passo é o planejamento do tratamento, que deve ser feito em conjunto entre médico e paciente.

Algumas questões devem ser direcionadas ao oncologista, tais como:

  • Por onde começar?
  • Quais medicamentos serão utilizados e quais são os possíveis efeitos colaterais, especialmente considerando minha rotina?
  • Quais precauções devo adotar durante o tratamento?
  • Posso manter minha alimentação habitual?
  • Como posso buscar apoio?
  • Existe alguma organização que possa me auxiliar?

O profissional estará capacitado para apoiar o paciente, fornecendo informações de qualidade e oferecendo suporte, sempre com enfoque no cuidado humanizado.

Continua após a publicidade

Quando abordamos a jornada de tratamento do câncer gástrico, é essencial ser realista sobre as possíveis complicações. É provável que o paciente enfrente dificuldades para se alimentar, especialmente devido às dores estomacais que ocorrem após as refeições.

Por esse motivo, é importante considerar alguma forma de suporte nutricional, a fim de garantir que o paciente possa se alimentar da melhor maneira possível, reduzindo o desconforto e gerenciando sua qualidade de vida.

Outra questão a ser considerada é o impacto psicológico. Uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos ajuda a lidar com emoções, aflições e angústias comuns a esse período, sobretudo se a doença estiver em estágio avançado.

Continua após a publicidade

Atualmente, existem diversas alternativas disponíveis para o tratamento do câncer gástrico, das cirurgias às terapias-alvo, medicações que têm como alvo específico as células cancerígenas, causando menos eventos adversos. Dependendo do estágio, a estratégia pode visar a cura, o controle ou o alívio dos sintomas.

+ Leia tambémCâncer: a vida no centro de tudo

Manter um diálogo aberto pode auxiliar na escolha da melhor opção de terapia, que se adapte à fase da doença e principalmente às individualidades de cada um, além de facilitar o esclarecimento de dúvidas e fortalecer a relação de confiança entre ambos.

Continua após a publicidade

A conversa também é importante para avaliar a satisfação do paciente, suas preferências, opções terapêuticas e o impacto do tratamento na sua qualidade de vida.

Para que toda a experiência de tratamento seja menos angustiante, é necessária uma abordagem holística.

A individualização do tratamento, junto com o suporte da família e amigos, além dos profissionais da equipe multidisciplinar, deve sempre fazer parte da estratégia de tratamento.

* Diogo Bugano é oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.