Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Falta de higiene bucal pode contribuir para demência

Estudo relaciona má higiene e perda dentária a maior risco de declínio cognitivo e demência. Dentista comenta o elo

Por Patrícia Almeida, cirurgiã-dentista*
12 dez 2022, 08h48

Uma pesquisa publicada recentemente no periódico da Sociedade Americana de Geriatria concluiu que a má saúde bucal, caracterizada pela presença de periodontite, e a perda dentária estão associadas ao aumento no risco de declínio cognitivo e demência.

O motivo? As bactérias da boca podem desempenhar um papel na inflamação do cérebro. A investigação usou cinco bases de dados de estudos relevantes na área publicados até abril de 2022, somando informações de milhares de pessoas.

A periodontite é a inflamação dos tecidos que dão sustentação aos dentes. Costuma começar com uma gengivite e pode levar à perda dentária. O problema afeta entre 10 e 15% da população adulta, sendo considerada a sexta doença mais prevalente no mundo.

Fora os danos à boca, a periodontite também está ligada a maior risco de diabetes e problemas cardiovasculares. Ao que tudo indica, a demência aumenta a lista de doenças associadas.

A demência é marcada por um declínio cognitivo progressivo e acomete mais de 1 milhão de brasileiros. Existem diversas formas, sendo que uma das principais é o Alzheimer.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: O que está por trás da gengivite e da periodontite

A nova revisão só reforça o que outros estudos focados em perda dentária e comprometimento cognitivo já haviam revelado. Num deles, que acompanhou 34 mil adultos, as pessoas que perderam mais dentes, reflexo da má higiene bucal e da falta de consultas ao dentista, tiveram, em média, um risco 48% maior de apresentar déficit cognitivo e 28% maior de ter demência.

Supõe-se que a inflamação disparada na boca tenha repercussões sistêmicas, entre elas a maior propensão a danos cerebrais. Apesar de as pesquisas não avaliarem quanto a saúde bucal é capaz de diminuir o risco de demência, os achados enfatizam, do ponto de vista clínico, a importância de um bom monitoramento e de medidas preventivas.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Sim, porque se trata de um fator de risco modificável, isto é, o indivíduo pode começar a se cuidar e influenciar um eventual risco no futuro. Na prática, isso significa investir na escovação, com pasta e fio dental, pelo menos três vezes ao dia. E realizar as visitas periódicas ao dentista a cada três meses.

Aliás, para quem já sofre com declínio cognitivo ou com demência, manter a higienização bucal e as consultas odontológicas continua sendo fundamental para evitar outros problemas de saúde e assegurar a qualidade de vida.

Compartilhe essa matéria via:

* Patrícia Almeida é cirurgiã-dentista, especialista em reabilitação oral e estética, idealizadora da clínica Odontologia Almeida e integrante da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD)

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.