Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Já parou para pensar que seus dentes também envelhecem?

Dentista esclarece como os dentes se desenvolvem desde a infância e o que pode acontecer com eles com o avançar da idade

Por Célia Lulo, cirurgiã-dentista*
22 Maio 2022, 11h33

A dentição é essencial ao bom funcionamento do organismo e, como outras estruturas do corpo, sofre a ação do envelhecimento. Ela é superimportante para a alimentação, a comunicação, a identidade e a vida em sociedade. É como um patrimônio histórico do corpo

Nossas arcadas dentárias têm características interessantes e peculiares. Um exemplo disso é que os dentes resistem ao fogo, mas não aos ácidos produzidos por algumas bactérias presentes na boca. Elas provocam cáries a partir dos resíduos alimentares não removidos pela higienização.

Existe uma conexão intrínseca entre o desenvolvimento humano integral e o processo de formação dos dentes. Um vínculo sistêmico no espaço e no tempo que relaciona suas funções internas com a natureza externa.

A erupção dentária surge num padrão ritmado durante os três primeiros setênios de vida (período de sete em sete anos). Isso ocorre paralelamente à maturação neurológica, acompanhando o desenvolvimento neuropsicomotor, de modo que cada dente que irrompe corresponde a novas aptidões do indivíduo.

+ LEIA TAMBÉM: A nova geração de implantes dentários

No bebê, os dentes a serem formados ainda estão dentro das arcadas e, a partir dos 6 meses de idade, começam a despontar. Os primeiros a eclodir são os incisivos centrais da arcada inferior, entre 6 e 10 meses. Depois, gradualmente, virão os outros numa sequência que culmina entre os 2 e 3 anos de vida. A arcada é preenchida, então, pelos chamados “dentes de leite”.

Continua após a publicidade

Entre os 5 e 7 anos, os dentes de leite começam a ser substituídos pelos permanentes, processo que geralmente termina entre os 12 e 14 anos de idade.

Nessa troca, ocorre um processo natural em que as raízes dos dentes decíduos são reabsorvidas, perdem sua fixação, apresentam mobilidade e com o efeito da pressão exercida pelos dentes sucessores, que estão ali se formando, o dente temporário cai e cede espaço ao definitivo.

É por isso que, desde as primeiras erupções dentárias, devemos ter atenção à higiene bucal e contar com o acompanhamento do cirurgião-dentista. Se o bebê desenvolve alguma doença bucal, como cáries, gengivites e pulpites (inflamação da polpa dentária), ela pode comprometer a região e interferir na formação ou na posição dos dentes permanentes se não for devidamente tratada.

Na transição da adolescência para a vida adulta, por volta de 17 a 21 anos, surgem os últimos dentes, que são os terceiros molares, mais conhecidos como dentes do siso, que completam a dentição, agora com 32 dentes.

Diversos fatores contribuem para o desenvolvimento dentário e sua relação com nossa identidade: genética, vida familiar, questões ambientais, hábitos alimentares, estado emocional, educação… E até mesmo a água e o ar que o indivíduo respira. Tudo isso resulta numa arcada dentária singular e numa biografia única.

Continua após a publicidade

Como expliquei, a cada sete anos temos a conclusão de uma etapa importante envolvendo nossa dentição. Até os 7 anos, com os dentes decíduos; de 7 a 14, com a dentição mista; de 14 a 21, com a permanente.

Se imaginarmos que o brasileiro tem, de acordo com o IBGE, uma expectativa de vida média de 76 anos de idade, ele vai utilizar a dentição permanente por mais de 55 anos. E ela também está sujeita ao envelhecimento. Por mais que a boca esteja saudável, os dentes podem apresentar desgastes fisiológicos.

Além da higiene adequada, diversos elementos pesam na saúde dos dentes, como a hidratação, o acesso ao sol, a nutrição balanceada e boas noites de sono. A má escovação aumenta o risco de cáries, gengivites e outras doenças. O cigarro e o excesso de café amarelam os dentes. O bruxismo pode onerar as articulações temporomandibulares e desencadear dores crônicas.

Daí vem a importância de visitar periodicamente o dentista e atuar, junto a ele, na prevenção e no tratamento dessas situações. Sob essa perspectiva, envelhecer com dentes saudáveis é, sim, possível, desde que a gente dê a devida atenção a eles, conte com acompanhamento profissional e, se for o caso, repense o estilo de vida.

* Célia Lulo é cirurgiã-dentista, consultora, autora de livros como O Dente à Imagem do Homem, especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares e habilitada em Odontologia Antroposófica

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.