Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Já parou para pensar que seus dentes também envelhecem?

Dentista esclarece como os dentes se desenvolvem desde a infância e o que pode acontecer com eles com o avançar da idade

Por Célia Lulo, cirurgiã-dentista* 22 Maio 2022, 11h33

A dentição é essencial ao bom funcionamento do organismo e, como outras estruturas do corpo, sofre a ação do envelhecimento. Ela é superimportante para a alimentação, a comunicação, a identidade e a vida em sociedade. É como um patrimônio histórico do corpo

Nossas arcadas dentárias têm características interessantes e peculiares. Um exemplo disso é que os dentes resistem ao fogo, mas não aos ácidos produzidos por algumas bactérias presentes na boca. Elas provocam cáries a partir dos resíduos alimentares não removidos pela higienização.

Existe uma conexão intrínseca entre o desenvolvimento humano integral e o processo de formação dos dentes. Um vínculo sistêmico no espaço e no tempo que relaciona suas funções internas com a natureza externa.

A erupção dentária surge num padrão ritmado durante os três primeiros setênios de vida (período de sete em sete anos). Isso ocorre paralelamente à maturação neurológica, acompanhando o desenvolvimento neuropsicomotor, de modo que cada dente que irrompe corresponde a novas aptidões do indivíduo.

+ LEIA TAMBÉM: A nova geração de implantes dentários

No bebê, os dentes a serem formados ainda estão dentro das arcadas e, a partir dos 6 meses de idade, começam a despontar. Os primeiros a eclodir são os incisivos centrais da arcada inferior, entre 6 e 10 meses. Depois, gradualmente, virão os outros numa sequência que culmina entre os 2 e 3 anos de vida. A arcada é preenchida, então, pelos chamados “dentes de leite”.

Entre os 5 e 7 anos, os dentes de leite começam a ser substituídos pelos permanentes, processo que geralmente termina entre os 12 e 14 anos de idade.

Nessa troca, ocorre um processo natural em que as raízes dos dentes decíduos são reabsorvidas, perdem sua fixação, apresentam mobilidade e com o efeito da pressão exercida pelos dentes sucessores, que estão ali se formando, o dente temporário cai e cede espaço ao definitivo.

Continua após a publicidade

É por isso que, desde as primeiras erupções dentárias, devemos ter atenção à higiene bucal e contar com o acompanhamento do cirurgião-dentista. Se o bebê desenvolve alguma doença bucal, como cáries, gengivites e pulpites (inflamação da polpa dentária), ela pode comprometer a região e interferir na formação ou na posição dos dentes permanentes se não for devidamente tratada.

Na transição da adolescência para a vida adulta, por volta de 17 a 21 anos, surgem os últimos dentes, que são os terceiros molares, mais conhecidos como dentes do siso, que completam a dentição, agora com 32 dentes.

Diversos fatores contribuem para o desenvolvimento dentário e sua relação com nossa identidade: genética, vida familiar, questões ambientais, hábitos alimentares, estado emocional, educação… E até mesmo a água e o ar que o indivíduo respira. Tudo isso resulta numa arcada dentária singular e numa biografia única.

Como expliquei, a cada sete anos temos a conclusão de uma etapa importante envolvendo nossa dentição. Até os 7 anos, com os dentes decíduos; de 7 a 14, com a dentição mista; de 14 a 21, com a permanente.

Se imaginarmos que o brasileiro tem, de acordo com o IBGE, uma expectativa de vida média de 76 anos de idade, ele vai utilizar a dentição permanente por mais de 55 anos. E ela também está sujeita ao envelhecimento. Por mais que a boca esteja saudável, os dentes podem apresentar desgastes fisiológicos.

Além da higiene adequada, diversos elementos pesam na saúde dos dentes, como a hidratação, o acesso ao sol, a nutrição balanceada e boas noites de sono. A má escovação aumenta o risco de cáries, gengivites e outras doenças. O cigarro e o excesso de café amarelam os dentes. O bruxismo pode onerar as articulações temporomandibulares e desencadear dores crônicas.

Daí vem a importância de visitar periodicamente o dentista e atuar, junto a ele, na prevenção e no tratamento dessas situações. Sob essa perspectiva, envelhecer com dentes saudáveis é, sim, possível, desde que a gente dê a devida atenção a eles, conte com acompanhamento profissional e, se for o caso, repense o estilo de vida.

* Célia Lulo é cirurgiã-dentista, consultora, autora de livros como O Dente à Imagem do Homem, especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares e habilitada em Odontologia Antroposófica

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)