Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Má higiene bucal pode abrir caminho à pressão alta

Pesquisa aponta que indivíduos que escovam os dentes com menor frequência correm um risco significativamente mais alto de desenvolver hipertensão

Por Patrícia Almeida, cirurgiã-dentista*
9 ago 2022, 10h11

Um estudo recém-publicado no periódico científico The Journal Of Clinical Hypertension descobriu um elo entre a frequência da higiene bucal e a propensão à hipertensão. A análise englobou dados de mais de 270 mil pacientes e concluiu que aqueles que escovavam menos os dentes tiveram um aumento de 84% no risco de desenvolver a doença quando comparados aos que escovavam os dentes assiduamente.

Por que isso acontece? Quando a higiene é deficiente, bactérias da boca se multiplicam e podem desencadear as doenças periodontais. Seu primeiro estágio é a gengivite, quando a gengiva fica inflamada, inchada e com sangramentos frequentes. Ela pode evoluir para uma periodontite, quando outras estruturas da dentição são comprometidas. A periodontite atinge entre 30 e 50% da população e é a principal causa de perda dentária em adultos.

+ ASSISTA: O que mudou nas últimas diretrizes brasileiras de hipertensão

Mas as consequências não se restringem à boca. Essas bactérias e as substâncias inflamatórias desencadeadas pela infecção podem cair na circulação sanguínea e desequilibrar dois sistemas importantes para o controle da pressão arterial. Um deles é o sistema nervoso simpático, que regula nossas reações a situações de estresse ou emergência. O segundo é o sistema renina-angiotensina-aldosterona, mediado por moléculas que ajudam a manter a pressão e o estado dos vasos sanguíneos adequados.

Sabemos que a doença periodontal desperta uma inflamação sistêmica crônica, o que contribui para a hipertensão, e esta, por sua vez, é um problema de saúde bastante prevalente que leva a danos cardíacos, cerebrais e renais, sendo uma das principais causas de morte no mundo. Só no Brasil, temos mais de 38 milhões de hipertensos, de acordo com o panorama do Vigitel de 2019.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

O novo achado científico reforça a necessidade dos cuidados com a saúde bucal, sendo você hipertenso ou não. Para remover a placa bacteriana e minimizar a proliferação de micro-organismos ali, é preciso realizar a higiene diariamente, escovando os dentes e usando o fio dental pelo menos três vezes ao dia. Sobretudo antes de dormir, porque, durante o sono, a boca fechada e com menos saliva cria um ambiente favorável às bactérias.

Por fim, nada dispensa as consultas com o dentista. Pesquisas mostram que três em cada dez pessoas têm medo de ir a esse profissional. Você é um deles? Saiba que as visitas periódicas e os protocolos de limpeza e tratamento são cruciais para manter a boca saudável. Com a evolução tecnológica, os procedimentos estão mais modernos, seguros e indolores. Até o “motorzinho” está mais brando e silencioso.

Então cuide dos seus dentes. Por eles, e pelo corpo todo.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

* Patrícia Almeida é cirurgiã-dentista, especialista em reabilitação oral e estética, idealizadora da Odontologia Almeida (SP) e integrante da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD) 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.