Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Espondilite anquilosante: a importância do diagnóstico precoce

Procurar ajuda nos primeiros sintomas ajuda a evitar as sequelas da doença, como a falta de mobilidade da coluna

Por Marco Antônio Araújo da Rocha Loures, reumatologista*
7 Maio 2023, 09h56

A espondilite anquilosante (EA) pertence a um grupo de doenças chamadas de espondiloartrites (EpA), que apresentam características comuns, como comprometimento inflamatório da coluna vertebral. Espondilo significa coluna/vertebra e ite significa inflamação.

Além da inflamação da coluna vertebral, as EpA podem vir acompanhadas de artrites (inflamações articulares) de extremidades, dactilite (inflamação de dedos), doença inflamatória intestinal (Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa), inflamação ocular (uveíte) e doença autoimune crônica de pele (psoríase).

Como podemos perceber, trata-se de um grupo de doenças que se manifestam em vários órgãos do organismo.

A espondilite anquilosante, uma das principais EpA, afeta mais homens com idade inferior a 40 anos. Porém o diagnóstico, pelas dificuldades clínicas, acaba sendo realizado muitas vezes após esta idade.

Ela é mais prevalente em caucasianos e atinge entre 0,5 a 0,8/100.000 habitantes. Ou seja, é considerada uma doença rara.

Continua após a publicidade

Como se manifesta a doença

Um dos principais sintomas da espondilite anquilosante é a lombalgia baixa — dor na região da lombar e nos glúteos  — pela manhã, ao acordar. Diferente das dores musculares e vertebrais por traumas e desgaste, que pioram com exercícios, essa dor melhora com a atividade física.

+ Leia também: Teste: sua dor das nas costas pode ser espondilite anquilosante?

É preciso valorizar também sintomas intestinais — alterações de ritmo, sensação de estufamento, dores abdominais —, sinais na pele, alterações nos olhos, como olhos vermelhos, e queixas similares a tendinites em calcanhares, ombros e quadris.

O diagnóstico é feito pela história familiar do paciente, por queixas dos sintomas e por exames de imagens. Muitas vezes, estes sintomas não são muito exuberantes e podem passar despercebidos pelo clínico. Isso atrasa o diagnóstico, levando então às lesões permanentes.

Continua após a publicidade

Quando fazemos imagens da coluna vertebral ou ressonância magnética das articulações sacrilíacas, que ficam na bacia, vamos encontrar alterações inflamatórias.

O diagnóstico rápido evita complicações

Detectar precocemente a EA ajuda a evitar as sequelas que podem vir depois meses e anos de tratamento não adequado.

Sem a assistência adequada, ocorre a calcificação dos ligamentos que fazem parte dos tecidos moles da coluna vertebral. Isso deixa a coluna sem mobilidade, levando o paciente a ter dificuldade de deitar-se, entrar em um carro, assim como compromete sua qualidade de vida.

+ Leia também: Dor nas costas: onde estamos errando?

Continua após a publicidade

A etiologia da EA ainda não é totalmente conhecida. Hoje acreditamos que ela seja uma associação entre fatores genéticos, imunológicos e ambientais.

Um fator genético associado é o antígeno HLA-B27. Em análises, esse marcador está presente na maioria dos pacientes, nos caucasianos em torno de 90%, porém em estudos brasileiros, este marcador está ao redor de 65%.

Como não está presente em 100% dos pacientes, outros fatores também são considerados causadores da patologia.

O tratamento da espondilite anquilosante

O tratamento da EA deve ser realizado de forma individualizada, de acordo com os sintomas da doença e as características do paciente, como a presença de doenças associadas e fatores psicossociais.

Continua após a publicidade

O objetivo é melhorar dor, rigidez, fadiga, mobilidade e flexibilidade, além de prevenir dano estrutural à coluna vertebral e preservar usa função. Para isso, é prescrita uma associação de remédios e atividades físicas.

Trata-se de uma doença crônica e incurável, então é fundamental educar o paciente para entender a doença e ter adesão ao tratamento medicamentoso, fisioterapia constante e atividade física diária.

Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINE) são as medicações de primeira linha no tratamento. Entre 70% e 80% dos portadores de EA apresentam melhoras dos sintomas com essa categoria, incluindo melhora da dor e da rigidez na coluna.

Quando o indivíduo não responde aos AINE, trocamos de medicação. Entram em cena os chamados de modificadores de doença, que tem início de ação mais demorada. Nesta classe, podemos mencionar o metotrexato e a sulfassalazina, mas esses são só prescritos quanto a espondilite também é periférica ou atinge a pele.

Continua após a publicidade

Caso estes compostos também não tragam benefícios, ou produzam efeitos adversos ao paciente, trocamos novamente. Neste caso, pela medicação chamada biológica. Existem várias classes deste tipo de droga, e a indicação depende de vários fatores.

Eles buscam alvos específicos no corpo, em geral moléculas envolvidas na inflamação ligada à doença, como certas interleucinas. Entre os novos medicamentos, temos também as pequenas moléculas, em especial os inibidores de janus-quinase, ou inibidores de JAK, que estão sendo usados com bons resultados.

Além disso, é comum ter que tratar queixas em outros locais. Podem ser indicadas pomadas na presença da psoríase; pré/probióticos e ajustes na dieta para a doença inflamatória intestinal; além de medicação tópica para inflamações oculares.

A mensagem que fica é que o diagnóstico mais cedo e o tratamento precoce impedem o comprometimento geral e a piora da qualidade de vida dos pacientes.

* Marco Antônio Araújo da Rocha Loures, reumatologista Presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.