Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

ESG, uma sigla crucial também no setor de saúde

Termo em alta reflete necessidade de atenção com meio ambiente, impacto social e governança. E precisa estar na agenda das empresas do ramo da saúde

Por Samanta Dall´Agnese, VP de Inteligência Clínica da Prontmed*
15 fev 2022, 10h54

A sustentabilidade de um negócio e sua conexão no ecossistema com outras empresas, comunidades e governos passa obrigatoriamente pelo ESG, sigla para Environmental, Social and Governance. Em português, ela traduz a atenção que devemos ter com questões ambientais, sociais e de governança.

Enfrentar os desafios atuais sem perder de vista esses três aspectos tornou-se uma meta para qualquer serviço ou empresa que deseja ter vida longa. E na área da saúde não é diferente!

Não é fácil virar uma companhia ESG. Trata-se de um processo que exige conhecimento e investimento — não apenas financeiro, mas de tempo, capacitação e engajamento de lideranças. Hoje há empresas em diferentes estágios dessa jornada.

No setor de saúde, que mobiliza uma cadeia de instituições cuja missão é melhorar a qualidade de vida das pessoas, os conceitos de ESG são (ou deveriam ser) inerentes ao planejamento e ao dia a dia. Especialmente os fatores sociais. A realidade, porém, indica que há muito a fazer.

Continua após a publicidade

Começamos pelo quesito ambiental. O descarte de resíduos gerados por estabelecimentos e serviços de saúde pode provocar contaminação no local onde é depositado.

+ Leia também: Quando fazer teste para sair do isolamento por Covid-19?

Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o lixo hospitalar não alocado corretamente é responsável por 116 milhões dos casos de hepatite e 900 mil casos de HIV em todo o mundo por ano. Em tempos de pandemia, com o descarte de máscaras na ordem dos bilhões, ser ESG virou uma urgência.

Continua após a publicidade

Não podemos deixar de mencionar os próprios profissionais da saúde quando falamos nesse assunto. A piora da saúde física e mental de quem cuida do bem-estar dos outros acende um sinal de alerta para o agravamento de um problema que já existe há vários anos.

Segundo estudo publicado pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) em 2012, em uma década (2000-2009) mulheres médicas morreram dez anos antes que os homens médicos. A pesquisa faz menção específica a mortes por câncer, levando à hipótese de que essas profissionais não conseguem se cuidar devidamente. E traz, ainda, um índice alarmante de suicídio entre as médicas, maior que o da população em geral.

Mais recentemente, durante a crise da Covid-19, o Medscape, portal de conteúdo para profissionais de saúde, realizou uma pesquisa sobre burnout e ideações suicidas entre médicos. Quase 80% dos entrevistados relataram estar sofrendo do problema e apenas 21% reportaram início dos sintomas após a pandemia.

Continua após a publicidade

Isso reflete, claramente, as condições de trabalho a que os profissionais estão submetidos, com carga horária exaustiva e agravamento do estresse emocional ao longo do tempo, bem como a necessidade urgente de adotar medidas de conscientização e autocuidado nesse grupo.

Compartilhe essa matéria via:

Nessa direção, a pandemia despertou um novo olhar sobre o ambiente de trabalho. Se por um lado enfrentamos a tensão com o vírus e as mudanças, por outro inúmeras iniciativas ocorreram para melhorar o acolhimento e o apoio a esses profissionais.

Continua após a publicidade

Entre os bons exemplos, temos a campanha da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) batizada de “Saúde Mental Agora – Compartilhe sua História”, que reúne relatos de profissionais por escrito ou em vídeo, treinamentos e redes de apoio psicológico, como o projeto Psicologia Solidária – Covid-19.

A tecnologia também tem sido aliada nesse percurso, seja democratizando o acesso a conteúdos de qualidade sobre saúde, seja automatizando tarefas repetitivas e burocráticas, seja oferecendo por aplicativos consultas e sessões de psicoterapia.

Quando falamos em diversidade, notamos que as lideranças na área da saúde não só estão atentas para a necessidade de mudanças, como já estão se mobilizando para que aconteçam. Uma pesquisa da consultoria PwC mostra que 58% dos líderes entrevistados pretendem tomar ações de diversidade e inclusão nas suas empresas. A indústria farmacêutica parece ser uma das mais avançadas nesse sentido: 77% das companhias afirmam ter foco em ESG.

Continua após a publicidade

Algumas experiências têm sido desenvolvidas com sucesso. Uma delas é a presença cada vez maior de conselhos formados com base na diversidade entre seus membros.

Também merece destaque a presença de comitês dedicados ao tema que se reportam diretamente ao Conselho Administrativo da empresa, o que garante independência para fazer diagnósticos e propor planos de ação. A implantação dessas medidas, juntamente com a preocupação ambiental, rendeu ao Grupo Fleury o posto de primeiro colocado no ranking Melhores do ESG na categoria Healthcare da revista Exame em 2021.

Sem dúvida, o caminho para atingir as metas de ESG é longo e, por isso mesmo, quem chega lá é reconhecido como uma companhia que cuida do meio ambiente, promove impacto social, zela pelos seus funcionários e preza por condutas éticas e transparentes. São valores cada vez mais apreciados tanto pelo mercado como pelos cidadãos.

* Samanta Dall´Agnese é médica e VP de Inteligência Clínica da healthtech Prontmed

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.