Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

É preciso flagrar os sinais de um relacionamento abusivo

Psicóloga dá exemplos de comportamentos que denunciam esse padrão, que pode culminar em agressões físicas e deve ser rompido

Por Marinalva Callegario, psicóloga*
Atualizado em 17 ago 2021, 09h41 - Publicado em 13 ago 2021, 10h19

A pandemia de Covid-19 chegou ao Brasil em março de 2020. Num cenário de temor causado por um vírus até então pouco conhecido, o isolamento social usado para conter a disseminação da doença acabou fazendo disparar os casos de violência doméstica no país.

Estima-se que uma em cada quatro mulheres foi vítima de violência no Brasil em 2020, segundo dados do Datafolha. Traduzindo para números mais claros, cerca de 17 milhões de brasileiras teriam sofrido agressão, a maioria dentro de sua própria casa. São casos de violência psicológica, sexual ou física.

Muitas das mulheres que sofrem esse tipo de agressão estão com dificuldades de sair de um relacionamento abusivo. Elas enfrentam a chamada síndrome do desamparo aprendido. Acreditam que jamais poderão viver sem o companheiro e acabam normalizando a violência psicológica. Fora isso, tentam constantemente justificar as atitudes grosseiras do cônjuge ou namorado.

+ LEIA TAMBÉM: Machismo faz, sim, mal à saúde

Continua após a publicidade

Ainda que as agressões físicas não tenham ocorrido, essas mulheres precisam se proteger de todo e qualquer indício de violência verbal ou psíquica, não raro o primeiro passo antes da violência física em si. Destaco abaixo cinco sinais ou situações associados a relacionamentos abusivos:

  • Possessão e ciúmes exagerados
  • Críticas constantes e agressivas
  • Tornar a mulher dependente dos recursos financeiros do parceiro
  • Invasão de privacidade
  • Síndrome do desamparo aprendido

Para romper com o ciclo do relacionamento abusivo, é preciso que a vítima consiga superar certos padrões de comportamento que a tornam refém do companheiro. Um deles é denominado positividade tóxica e consiste em negar sentimentos e emoções desconfortáveis — sensações que virão à tona de qualquer maneira, inclusive como doenças psíquicas ou físicas.

Outro padrão recorrente que faz a mulher permanecer em uma relação tóxica é o pacto de fidelidade familiar. Esse comportamento é adotado por mulheres que sempre viram a mãe ou outras mulheres da família sendo vítimas de relacionamentos abusivos e tendem a normalizar comportamentos tóxicos por parte dos parceiros.

Continua após a publicidade

Reconhecer os sinais de uma relação com esses traços negativos é o primeiro passo para prevenir episódios de violência contra a mulher, infelizmente ainda tão comuns no país.

* Marinalva Callegario é psicóloga e autora do livro Amor Próprio

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.