Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Doação de órgãos: a vida em constante movimento

Idealizadora do Projeto Cicatrizes conta como a atividade física ajuda pessoas que passaram por um transplante de órgãos a encontrar sentido na vida

Por Renata Veneri, jornalista e idealizadora do Projeto Cicatrizes*
Atualizado em 9 Maio 2024, 14h15 - Publicado em 9 Maio 2024, 10h03

Vida é movimento físico, mental, emocional. É paixão, comunhão, ritmo. O ritmo depende de treino, coragem, disciplina. Disciplina vem de consistência, coerência, confiança. Confiança traz paz de espírito, serenidade, equilíbrio. Equilíbrio reforça paciência, sabedoria, resiliência. A resiliência nos permite ouvir, sentir, esperar. A espera aflige, mas também acolhe. Quem acolhe doa. E doar é a consolidação de uma vida em sociedade.

É nesse contexto (e com esse espírito) que nasceu o Projeto Cicatrizes, criado para informar, inspirar e disseminar a cultura da doação de órgãos no Brasil. Ele parte de dez histórias de pessoas transplantadas que só estão aqui, vivas, para contá-las, porque receberam um órgão de presente.

Com perfis diferentes, elas têm em comum a gratidão pela vida e o interesse pelo movimento. E é esse interesse pelo movimento, individual e coletivo, que torna o mundo um lugar mais saudável para todos.

É muito comum pensar em transplante de órgãos como algo distante, que nunca vai acontecer com a gente, até porque as imagens que nos chegam costumam ser melancólicas, ambientadas em hospitais. No entanto, quando somos apresentados ao assunto a partir de histórias de superação, de amor pela vida e de gratidão ao próximo, nos tornamos mais receptivos, capazes de nos enxergar naquela situação, e passamos a refletir sobre a importância da doação.

Quando deparamos com vitalidade, cor, desfrute, desafio, diversão, o cenário passa a ser o quintal de casa, o parque que a gente frequenta, a escola do filho, o trabalho, a academia, a festa…

Continua após a publicidade

Laura Franco tem 12 anos e, quando tinha apenas 1 ano de vida, recebeu um pedacinho do fígado do irmão. Luis Gouveia tem 50, viveu esbanjando saúde até os 47, e foi no auge da pandemia de Covid que descobriu uma doença e a necessidade da realização de dois
transplantes — coração e medula. Priscilla Pignollati, 48, entrou no centro cirúrgico acompanhada do irmão há seis anos para receber um rim de presente.

Esse mesmo trio explora hoje o movimento físico como ferramenta para o corpo, a cabeça e o coração. A caçula do grupo corre, nada, canta, dança, joga handebol. Basta abrir inscrição para uma atividade esportiva que lá está a Laura colocando o corpinho para mexer.

A cicatriz que corta seu abdômen de ponta a ponta na horizontal não a intimida ou limita em absolutamente nada. Como diz a mãe, Deyse Franco, a preocupação inicial com a cicatriz passou a ser um detalhe diante de tantas superações e conquistas vividas pela garota ao longo da última década.

Como mãe de uma criança transplantada, e sob o estigma da ignorância e até de certo preconceito, Deyse cansou de ouvir lamentos e palpites. “Muita gente me pergunta se a Laura tem uma vida normal. O que é uma vida normal? Laura tem saúde, estuda, brinca, pratica esporte, faz tudo o que uma criança da idade dela pode e deve fazer.”

Continua após a publicidade

Ou seja: vive a vida e agradece a oportunidade de estar viva. “Exercício físico me dá energia e alegria, e isso é tudo”, diz a garota.

+Leia também: A nova onda dos transplantes

A nefrologista pediátrica Suelen Stopa Martins, coordenadora médica da organização de procura de órgãos da Unifesp e do programa de transplante renal pediátrico do Hospital do Rim, explica que, passados os três primeiros meses pós-transplante, a criança está 100% liberada.

“Com o órgão funcionando, e não esquecendo nunca de tomar o remédio, é vida normal! A criança vai voltar para a escola, incluindo as aulas de educação física. Algumas mães ficam com receio de trauma, de bater a bola, de trombar com um colega. Não precisa! A criança tem de ter consciência do seu corpo e se cuidar como qualquer outra.”

Continua após a publicidade

Luis Gouveia, corredor, músico, pai de três filhos, executivo de multinacional movido a planilhas e cronômetros, tem metas de curto, médio e longo prazos desde sempre. Foi assim que ele manteve a cabeça minimamente em ordem para encarar a angústia e a incerteza da espera por um órgão quando estava na lista de transplante.

Com coração e medula novos, voltou a correr, procurou uma nutricionista para organizar a dieta e buscou uma professora para começar os treinos de natação e ciclismo. No ano que vem, ele quer competir como triatleta nos Jogos Mundiais para Transplantados.

“Não foi fácil começar de novo. Eu conhecia perfeitamente o meu corpo e de repente recebi um corpo completamente desconhecido. Parti do zero, mas me animei rapidinho. O esporte me mostra que estou vivo.”

Quem já nada, pedala, corre e inspira geral é a Priscilla, a primeira triatleta brasileira transplantada nas modalidades Sprint e Olímpico e duas provas de Ironman 70.3 no currículo. Ela treina como qualquer atleta, segue uma rotina intensa e está cercada de uma equipe de saúde multidisciplinar, incluindo os médicos do transplante.

Continua após a publicidade

A única particularidade na agenda é a hora de encaixar o uso do imunossupressor, remédio que toma duas vezes por dia, num intervalo de 12 horas, para evitar a rejeição ao órgão. “Faço uma dança dos horários em treinos e provas, mas é tudo ajustável e tranquilo”, relata.

Luciana Haddad, médica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), diz que a prática regular e moderada de atividade física faz bem para todos, incluindo transplantados. No caso deles, o cuidado é montar a equação que envolve o uso obrigatório e ininterrupto do imunossupressor e a demanda de energia do exercício escolhido.

“É uma linha tênue: a gente trabalha para evitar a rejeição ao órgão com o menor risco possível de infecções”, conta a especialista, que
também é triatleta e maratonista.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Quando perguntam a Priscilla por que ela pratica tanto esporte, a mineira traz a resposta lá da alma: “O esporte me faz sentir saudável, me dá disposição, me enche de alegria. Quando termino uma prova, tenho uma sensação maravilhosa. Estou viva!”

*Renata Veneri é jornalista especialista em qualidade de vida, bem-estar e saúde, CEO de Corpo Cabeça Coração, idealizadora do Projeto Cicatrizes e autora do livro Atividade Física no Cotidiano (Contexto – clique para comprar).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.