Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Diástase abdominal: como surge a flacidez na barriga

Especialista traz os fatores de risco para esse problema, como a obesidade e gestações, e aponta tratamentos para amenizá-lo

Por Marcelo Sampaio, cirurgião plástico*
19 mar 2024, 10h09

A diástase abdominal ocorre quando os músculos retos abdominais, que ficam localizados na região central, afastam-se, deixando um espaço enfraquecido entre eles. Com a condição, pode acontecer um abaulamento (que pode ficar acima ou abaixo do umbigo, ou em ambos os locais).

O quadro é percebido principalmente quando a mulher agacha, levanta peso ou até mesmo depois de se alimentar. Outros sinais são constatados, como a fraqueza e flacidez na barriga, e a dor ou desconforto na região lombar.

Tudo o que aumenta a pressão intra-abdominal e afasta os músculos retos abdominais pode levar à condição, que é frequentemente mais comum em mulheres – os estudos em homens ainda são escassos.

Gravidez

Uma pesquisa italiana avaliou 13 artigos sobre o tema e confirmou que a gravidez é um fator de risco. Quanto mais gestações uma mulher tiver, maior a probabilidade de desenvolver essa condição.

Isso porque o crescimento uterino faz com que os músculos se abram. Espera-se que eles voltem ao lugar espontaneamente após o nascimento do bebê, mas, segundo esse levantamento, 12 meses após o parto, 33% das mulheres ainda apresentam o problema.

IMC (Índice de Massa Muscular)

Pessoas com obesidade geralmente têm mais tecido adiposo na cavidade abdominal, e isso promove uma pressão interna, o que pode levar à separação do músculo reto abdominal.

Continua após a publicidade

+Leia também: Vale tudo por um abdômen sarado?

Diabetes

A mesma pesquisa apontou que essa doença favorece a perda de massa e função muscular. Por isso, essa área teria as fibras musculares prejudicadas.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é realizado por meio de exame físico, em que o cirurgião plástico avalia os músculos abdominais e os sintomas. Ele pede também exames de imagens, como ultrassom e tomografia computadorizada, para avaliar a situação com detalhes.

Dependendo do grau e do tipo de diástase, é possível tentar um plano de atividades físicas específicas para aquela pessoa. Mas é necessário cuidado, pois a prática pode até piorar o problema.

Continua após a publicidade

E atenção: estratégias como dietas para emagrecer ou qualquer protocolo para queimar gordura não funcionam!

O tratamento mesmo é a abdominoplastia, que vai reposicionar os músculos e remover o excesso de gordura e de pele, o que volta a definir o abdômen.

*Marcelo Sampaio é cirurgião plástico, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e atende no Hospital Sírio-Libanês. É correspondente internacional da American Society of Plastic Surgeons. Por mais de 12 anos, coordenou o projeto filantrópico de cirurgia plástica de mama do Núcleo de Mastologia do Hospital Sírio-Libanês, no qual atendeu mais de 2 mil mulheres para reconstrução da mama.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.