Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Dia Nacional da Saúde: o seguro e a prudência

Pesquisas revelam que o brasileiro deixa a desejar quando o assunto é cuidar da própria saúde

Por Claudia Cohn*
5 ago 2023, 09h54

Pesquisas de opinião apontam frequentemente a saúde como prioridade na vida dos brasileiros, ao lado de quesitos como segurança, educação e estabilidade financeira. 

Na última sondagem do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) sobre desejos para 2023, por exemplo, o item mais citado foi “investimentos em saúde”  — por 23% dos entrevistados. 

Todo mundo conhece o ditado “o seguro morreu de velho”. Na saúde, ele é ainda mais verdadeiro. No entanto, outros estudos revelam que a maior parte da população brasileira, não tem seguido à risca esta sabedoria popular e centenária.

Recentemente, realizamos um levantamento em quatro regiões metropolitanas do Brasil, com mais de três mil entrevistados, entre adultos, homens e mulheres, que identificou as diferenças no perfil de cuidado do brasileiro com a própria saúde.

+ Leia também: Com mundo mais quente, aumenta o impacto das mudanças climáticas na saúde

O malabarista

Após a análise das entrevistas, foram identificados seis perfis referentes à forma de se relacionar com a saúde: exigentes; motivados; simplistas; malabaristas; carentes e desinteressados. 

São tipos que conseguimos reconhecer facilmente em alguém da nossa família, ou em nós mesmos. 

Em primeiro lugar no ranking da pesquisa, com 23%, está o perfil malabarista: aquele para quem a saúde é importante, mas que não têm tempo de se cuidar. 

Este grupo não prioriza exames ou consultas médicas regulares porque entende que a jornada de cuidado exige muita dedicação e é difícil de ser coordenada, além de desejar flexibilidade para que a saúde se adapte à sua rotina – e não o contrário. Se reconheceu? 

Continua após a publicidade

+ Leia também: O que explica o aumento da obesidade entre jovens no Brasil?

O agravante é que 61% dos malabaristas possuem alguma condição de saúde que pode levar a patologias mais graves.

Um grande alerta vermelho é que os cuidados não necessariamente aumentam mesmo com a presença de alguma doença crônica, como hipertensão, obesidade ou diabetes. 

Entre muitos que estão nestes grupos, acompanhamento básico, com exames periódicos, não são prioridade. A falta de controle pode significar complicações sérias no médio e longo prazo. 

Continua após a publicidade

Dos simplistas aos exigentes

Em segundo lugar (21%), está o grupo dos simplistas, que fazem apenas o que é “indolor” e descomplicado em relação à saúde e fogem dos acompanhamentos periódicos necessários. 

Em seguida, estão os carentes (20%), que se submetem a poucos exames, mas se sentem mal e gostariam de adotar uma postura mais proativa em relação ao cuidado.

+ Leia também: Infartos em jovens aumentam há décadas, e não por causa de vacinas

Os desinteressados (16%), aparecem em quarto lugar e não realizam exames ou consultas periódicas antes de apresentarem sintomas relevantes

Continua após a publicidade

Motivados (12%) e exigentes (9%) são aqueles que melhor representam o ditado popular sobre o seguro. Eles fazem acompanhamento médico periódico, são proativos e exigentes em relação aos serviços de saúde, mas, infelizmente estão atrás no ranking. 

Apenas 21% da amostra é disciplinada na rotina de exames e consultas, e sente satisfação em se cuidar. E esse protagonismo não tem a ver com alguma condição pré-existente de saúde, pois o principal foco desses dois grupos é a precaução e a longevidade.  

Longe do ideal

Essas informações mostram como os brasileiros ainda têm um comportamento distante do ideal em relação à prevenção de doenças. 

Mesmo habitantes de grandes metrópoles, com mais acesso a serviços médicos – inclusive com facilidades, como atendimento domiciliar – apresentam atitudes pouco saudáveis.   

Continua após a publicidade

O melhor desfecho clínico de doenças depende da adoção de um estilo de vida saudável e do engajamento na conduta médica de tratamento e realização de exames periódicos, tema interessante para um próximo artigo. 

Como diz um outro provérbio, “prudência não faz mal a ninguém”.

*Claudia Cohn é diretora executiva da Alta Diagnósticos.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.