Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Dentes tortos: uma epidemia silenciosa e perigosa

O desalinhamento dentário está longe de ser um problema apenas estético. Essa situação, que começa na infância, favorece doenças sérias – e não só na boca

Por Vivian Farfel, odontopediatra*
16 mar 2023, 09h10

Você, como pai ou mãe, talvez já tenha feito uma poupança e se conformado com a ideia de que o aparelho ortodôntico entrará na vida de seu filho em algum momento, não é?

A culpa não é sua por pensar assim. Dentes tortos são tão comuns na sociedade que passamos a considerá-los normais!

A prevalência é assustadora, e revela uma epidemia silenciosa, literalmente bem abaixo do nosso nariz, que se inicia na infância e se perpetua na idade adulta.

Mas, em que ponto se iniciou a derrocada? De acordo com análises recentes, mais de 80% da nossa população moderna tem ossos faciais bem diminuídos em comparação a grupos populacionais de tempos remotos.

Estudos arqueológicos também mostraram que os nossos genes modernos são exatamente iguais aos genes dos homens da Idade da Pedra.

+ Leia também: Quase metade da população tem um problema bucal

Curiosamente, todos os nossos ancestrais tinham dentes perfeitamente retos com arcadas grandes – e nunca usaram aparelhos.

Continua após a publicidade

Como explicar, então, a alta incidência de mal oclusão e deformidades faciais em nossa sociedade?

A resposta está naquilo que nos cerca, mais precisamente em modificações rápidas e dramáticas dos ambientes físicos e culturais que se iniciaram com a advento da agricultura e se intensificaram após a Revolução Industrial.

O estilo de vida moderno e nossos dentes

Nosso estilo de vida abrange uma dieta repleta de comida embalada e processada, açúcares refinados e alimentos básicos altamente adulterados, que estão muito longe de nossa dieta ancestral.

Passamos a viver em ambientes fechados, oferecemos menos tempo de amamentação aos bebês e introduzimos alimentos pastosos no desmame. Aliás, o desmame precoce cria hábitos anormais de língua e deglutição.

+ Leia também: Escovação noturna é a mais importante para evitar cáries na infância

A dieta moderna, que requer menos mastigação, favorece a atrofia dos músculos da face.

Continua após a publicidade

O resultado é uma reação alérgica e inflamatória a esse padrão rico em produtos químicos, aditivos e excesso de açúcar, que, somada a uma vida dentro de casa, produz congestão nasal e respiração bucal em crianças. Assim, elas são obrigadas a adotar uma postura de boca aberta.

O hábito de manter a boca aberta faz com que o rosto cresça verticalmente, criando faces mais estreitas e compridas, com os maxilares mais encolhidos.

Entre outras características, isso culmina em dentes tortos. Somos vítimas de uma verdadeira corrupção ambiental da expressão genética do crescimento facial.

Em resumo, nossos maxilares e dentes têm potencial para encarar um verdadeiro banquete como aqueles vistos em Os Flintstones, mas achamos mais conveniente declinar do convite e levar nosso próprio Big Mac.

Use a caixa de busca ou clique no índice para encontrar o verbete desejado:
Continua após a publicidade

Essas conveniências e escolhas podem levar a problemas muito piores.

Infelizmente, dentes tortos são, na verdade, apenas a ponta do iceberg – logo abaixo vem maxilares encolhidos e a respiração pela boca.

Juntos, esses fatores tendem a reduzir a qualidade de vida e tornar o indivíduo suscetível a doenças mais sérias, como apneia obstrutiva do sono, problemas cardiovasculares, TDAH, ansiedade, obesidade, diabetes e por aí vai.

Ao longo dos últimos anos tornou-se claro e evidente que os ortodontistas estão focando na coisa errada. É que eles ainda miram no dente torto – e existem métodos cada vez mais avançados para o alinhamento.

Mas alinhar os dentes nesse contexto que apresentei segue o mesmo raciocínio de arrumar as mesas simetricamente no deck do Titanic.

Continua após a publicidade

Infelizmente, o treinamento como ortodontista é baseado em resolver o problema dentário, e não promover a saúde infantil de forma global.

Devemos olhar a criança como um todo, facilitando efetivamente a mudança de comportamento.

É preciso, por exemplo, concentrar esforços nos seguintes aspectos:

  • Estimular a amamentação por pelo menos 1 ano, sendo 6 meses de forma exclusiva
  • Evitar mamadeira e chupeta
  • Ensinar as crianças a fechar a boca quando não estão comendo ou falando
  • Introduzir alimentos saudáveis e naturais que estimulem a mastigação, deglutição e funcionamento do intestino
  • Evitar ao máximo açúcares e alimentos ultrapalatáveis e ultraprocessados
  • Prestar atenção ao sono
  • Sempre promover a lavagem nasal
  • Limitar o uso de telas
  • Aumentar o contato com a natureza

+ Leia também: A nova geração de aparelhos para os dentes

Caso seja necessário tratar os dentes, o ideal é procurar um profissional especializado em saúde, e não em doença.

Ele precisa trabalhar com foco no equilíbrio facial adequado, na aparência facial agradável e na proteção e expansão das vias aéreas.

Continua após a publicidade

São fatores que contribuem para respiração ideal, padrões de sono restauradores e ótima saúde geral, além de produzir sorrisos amplos, que se estendem nos cantos da boca.

Temos que adotar estratégias levando em conta que o desafio principal é criar crianças saudáveis, felizes e com dentes retos – mesmo contra todas as probabilidades do mundo de hoje.

*Vivian Farfel é especialista em odontopediatria e também em ortodontia e ortopedia facial pela Faculdade de Odontologia da USP

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.