Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

De 0 a 10, que nota você dá para sua dor?

Especialista conta como essa simples pergunta ajuda profissionais de saúde e detectar problemas e a monitorar o sucesso de certos tratamentos

Por Mariana Schamas, cinesiologista*
14 Maio 2024, 12h05

Já reparou que toda vez que você passa com um profissional de saúde, seja no pronto-atendimento, em consulta, na fisioterapia ou no dentista, ele pergunta: “De 0 a 10, que nota você dá para sua dor?”. 

A pergunta parece não ter muita importância e pode soar até chata. Eu posso dizer que escuto muitas reclamações. Mas essa questão aparentemente boba na verdade é valiosa, porque a numeração guia o profissional da saúde para as condutas subsequentes. No caso de um tratamento, a resposta avalia se a intervenção feita foi eficiente, ou se será preciso tomar outras medidas.

Em 1995, o doutor James Campbell, então presidente da Sociedade Americana de Dor), apresentou a ideia de avaliar a dor como um sinal vital. Afinal, a dor ainda é o sintoma que mais leva as pessoas a buscar ajuda médica.  Segundo ele, este parâmetro de 0 a 10 elevaria a conscientização dos profissionais para avaliar e gerir a dor de seus pacientes. 

A ideia foi rapidamente adotada pela VHA (Veterans Health Administration) e pela Joint Commission, líder mundial em certificação de organizações de saúde. Com a força das duas organizações, a escala numérica de dor de zero (0) a dez (10) foi implementada em todas as clínicas e hospitais dos Estados Unidos. Rapidamente, todos os ambientes clínicos e hospitalares começaram a usar as pontuações ​​como medida de qualidade de atendimento e também nos relatórios de avaliação de provedores de saúde.

A escala é avaliada da seguinte forma

  • Zero = nada de dor
  • Um a três = dor de fraca intensidade 
  • Quatro a seis = dor de intensidade moderada
  • Sete a nove = dor de forte intensidade 
  • Dez = dor de intensidade insuportável 

Você provavelmente já experimentou algumas variações dessa escala, mas essa ideia foi revolucionária para a medicina da dor. Com ela, pudemos evoluir e melhorar a avaliação da dor dos pacientes e criar protocolos de atendimento importantes. 

Continua após a publicidade

+Leia também: Dores abdominais: o que são e como identificar cada uma delas

Parâmetros como saída do centro cirúrgico para o quarto, alta hospitalar, uso de compressa quente ou fria, doses de medicamento, mudança de posição no leito, fisioterapia e pesquisas científicas… tudo isso foi influenciado por essa escala de dor. 

Costumo dizer nas minhas aulas o seguinte: “o que você não acompanha, você não controla. E o que você não controla, não pode mudar”. 

A dor é individual e subjetiva. Consequentemente, cada organismo reage de um jeito às propostas aliviadoras. Com isso em mente, a escala numérica da dor veio como o quinto sinal vital, agregado aos outros quatro: pressão arterial, pulso, frequência respiratória e temperatura. Todos são indispensáveis nos cuidados com os pacientes.

Desde o ano 2000, o conceito da dor como quinto sinal vital passou a ser difundido pelo mundo. Essa medida padronizada nos ajuda a tratar com mais seriedade a maior queixa das pessoas quando procuram por ajuda médica, gerando mudanças no posicionamento da equipe multidisciplinar, na qualidade de cuidados da instituição e trazendo conforto para o paciente.

Continua após a publicidade

E agora, se alguém perguntar que nota você dá a sua dor, vai achar chato? 

*Mariana Schamas, cinesiologista, pós-graduada em dor e criadora do próprio método e do aplicativo DOLORI. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.